VAM e dados de potência "dos pros"

NULL

Well-Known Member
Diria que NÃO ESTÁ a contar os "zeros" de potência daí a média aparecer mais alta. Mas quando vai fazer as contas ao KJ usa o valor certo.

Verifica isso

Abraço
Vou confirmar daqui a pouco no equipamento mas tenho 99% de certeza que está definido para contar os 0 para a média... Já dou feedback!
 

mariosimas

Well-Known Member
Resumindo. Potência a contar os 0,cadência não contar os 0, sampling 1s. E parece q estás a confundir NP com AVG power. E atenção q conta o tempo efectivo do exercício sem as paragens de no Timer
 

NULL

Well-Known Member
Resumindo. Potência a contar os 0,cadência não contar os 0, sampling 1s. E parece q estás a confundir NP com AVG power. E atenção q conta o tempo efectivo do exercício sem as paragens de no Timer
Parece-te que estou a confundir NP com AVG?! Fodasse... tens dificuldades em ver os prints que coloquei?
 

mariosimas

Well-Known Member
esta frase é muito importante para como analisamos as provas ao longo do ano:

No longer are races used for training… I’m sure early in Mat’s career he would be expected to have two peak periods of fitness in a season. What we see now is riders having four to five peak periods in a season…This point alone has changed the way the training year is structured.” -

ou seja quem vai lutar para a GC está sempre num pico de forma. Não vai treinar.
 

NULL

Well-Known Member
esta frase é muito importante para como analisamos as provas ao longo do ano:

No longer are races used for training… I’m sure early in Mat’s career he would be expected to have two peak periods of fitness in a season. What we see now is riders having four to five peak periods in a season…This point alone has changed the way the training year is structured.” -

ou seja quem vai lutar para a GC está sempre num pico de forma. Não vai treinar.
Sim, é verdade. Mas não é menos verdade que estão melhor em determinados picos de forma do que noutros.

Vê-se o trabalho até ao TDU e depois do TDU até às Clássicas. O pico do TDU é inferior ao das Clássicas e TdS...

 

Wawando

Well-Known Member
esta frase é muito importante para como analisamos as provas ao longo do ano:

No longer are races used for training… I’m sure early in Mat’s career he would be expected to have two peak periods of fitness in a season. What we see now is riders having four to five peak periods in a season…This point alone has changed the way the training year is structured.” -

ou seja quem vai lutar para a GC está sempre num pico de forma. Não vai treinar.
Atencao que r a 5 picos nao é sempre em forma... e uma coisa é forma para prova de 1 dia outra é forma para um gt de 3 semanas, ou mesmo 1 semana.
O desgaste dessas provas de mais de um dia é brutal e tem que ser recuperado, nao ha volta a dar
 

Wawando

Well-Known Member
Outra nota, na linha do post anterior que referia os 3000kj. Tempo sets are done at the end of a ride to maximize muscular endurance and mimic racing demands.
 

mariosimas

Well-Known Member
é o que já se falou noutra thread treinos especificos em fadiga. Cada tipo de ciclista tem os seus. Aqui o Hayman tempo o trepador eram series de 20m.

Verdadeiras maquinas!!!!!!!!!!
 

Tourmalet

Well-Known Member
Boas, tenho reparado que muitos dos pros já não usam fita cardiaca nas provas, sabem o motivo? Será que com a utilização dos medidores de potência deixou de ser relevante este registo ou conseguem obter batimento cardiaco de outra maneira (pulseira,...)?
 

jpacheco

Moderador
Staff member
Boas, tenho reparado que muitos dos pros já não usam fita cardiaca nas provas, sabem o motivo? Será que com a utilização dos medidores de potência deixou de ser relevante este registo ou conseguem obter batimento cardiaco de outra maneira (pulseira,...)?
O cardio devem esconder porque em provas deste género essa informação revela estados de fadiga. Digo eu. Já o power sem o peso exacto pode não revelar muito.
 
Algo que não sei, e quem me conhece... Sabe que vou mesmo perguntar :D

Subidas como a de hoje no Tourmalet, em que está em jogo muita coisa... Qual deverá ser a média que pessoal como o Thomas ou o Pinot, fazem? Sim, sei que é variável.
Num ataque... Passam/Chegam às 190bpm?
A ritmo constante... Vão a quê? 170bpm?
Uma coisa é ir a fundo na montanha "principal" outra deverá ser ir no pelotão numa subida que não coincida com a meta.
E o pessoal que vai a puxar tudo? Devem ter que ter um pulso bastante elevado, certo?

Ou seja, eu só queria perceber se o "a fundo" deles podem ser bpms relativamente altos...
 

jpacheco

Moderador
Staff member
Algo que não sei, e quem me conhece... Sabe que vou mesmo perguntar :D

Subidas como a de hoje no Tourmalet, em que está em jogo muita coisa... Qual deverá ser a média que pessoal como o Thomas ou o Pinot, fazem? Sim, sei que é variável.
Num ataque... Passam/Chegam às 190bpm?
A ritmo constante... Vão a quê? 170bpm?
Uma coisa é ir a fundo na montanha "principal" outra deverá ser ir no pelotão numa subida que não coincida com a meta.
E o pessoal que vai a puxar tudo? Devem ter que ter um pulso bastante elevado, certo?

Ou seja, eu só queria perceber se o "a fundo" deles podem ser bpms relativamente altos...
Só para teres uma ideia que o pulso é tão pessoal digo-te que o famoso ataque do froome em que o contador ia na roda o homem andou a volta dos 165bmps salvo erro. Até há um vídeo sobre isso. Já o contador acho que em ataque deve chegar perto 190... mas posso estar errado no valores. Mas é muito pessoal os bpms
 
Estou a partir do princípio que no momentondo ataque serão sempre pulsos altos, mas para nós não profissionais será baixo quado comparados.
165bpm... Isso é obra! Bolas!
Eu gostava de saber por exemplo ontem o pulso de toda a subida do Alaphillipe e do Bernal, por exemplo. Nenhum atacou, mas no 1o acredito que tenha sido uma subida a fundo, e no 2o algo mais bajxo...
É que mesmo que seja a fundo, um gajo fazer 20km em pura ascensão mas que leve os bpm nos 180 por exemplo...
(os gajos nunca metem no strava os bpm... Não devem levar a fita, ou então ocultam essa info. É que nem noa treinos)