Diário de Treino (recuperar o tempo perdido)

torui

Well-Known Member
Sempre que se dê estrada num hospital decorrente de um acidente de viação, os montantes a pagar nunca entram no serviço nacional de saúde. A despesa é reportada para o próprio, senão tiver seguro terá que pagar do seu próprio bolso. Penso que se passe o mesmo com acidentes que ocorrem em atividades desportivas...senão tiver seguro tem que ser a vítima a pagar....
 

Nuno

Well-Known Member
Se ficares internado depois de entrares pela urgencia nao pagas nada. Se fores tratado em ambulatorio penso que pagas as taxas moderadoras.
Pelo menos comigo foi assim, entrei pela urgencia levado pelo INEM, fiquei cerca de 1 mes internado: cama, mesa e roupa lavada e nao paguei nada, já nas consultas e RXs que fiz apos ter alta paguei sempre as taxas moderadoras. É estranho mas é assim ou pelo menos era há 6 anos atrás.
 
Isso não deixou de ser um acidente de viação, não sei se tens de fazer queixa no instituto de seguros e se fizeste queixa na PSP/GNR
Até para receber a baixa é preciso justificar, como não é uma doença normal é preciso preencher papelada a justificar
 

moshinho

Well-Known Member
Nova dor de cabeça. Chegou-me a casa na passada 6ª feira uma carta do hospital para pagar a despesa relativa ao episódio de urgência a quando do acidente de bicicleta. Total da fatura são quase 200€, a questão é que estão a identificar o caso como um acidente de viação e enviaram-me um formulário que devo responder em 15 dias indicando qual a companhia de seguros e não me permitem acionar o serviço nacional de saúde. Isto é normal? Estará o Hospital agir corretamente? A minha queda foi provocada pela incorreta ultrapassagem de um veiculo a menos de 1,5m de distância, não consegui ver a matricula. Já alguém passou por situação idêntica?
Se consideram acidente de viação vais ter de pagar tu todas as despesas!
 
Pois, para estas coisas é que dá jeito ter seguro, já tive que acionar o meu da Federação numa situação idêntica, cai sozinho devido a um buraco e fui parar ao hospital com um clavícula partida... é sempre importante ter seguro, nunca se sabe quando vai ser necessário.
É o único que tens?
Correu bem quando tiveste que acionar?
Quanto pagas por ano?
 
Nova dor de cabeça. Chegou-me a casa na passada 6ª feira uma carta do hospital para pagar a despesa relativa ao episódio de urgência a quando do acidente de bicicleta. Total da fatura são quase 200€, a questão é que estão a identificar o caso como um acidente de viação e enviaram-me um formulário que devo responder em 15 dias indicando qual a companhia de seguros e não me permitem acionar o serviço nacional de saúde. Isto é normal? Estará o Hospital agir corretamente? A minha queda foi provocada pela incorreta ultrapassagem de um veiculo a menos de 1,5m de distância, não consegui ver a matricula. Já alguém passou por situação idêntica?
Chegaste a apresentar queixa na polícia? Mesmo que seja contra desconhecidos? E era importante teres testemunhas também... Eu diria que nesse caso, com queixa apresentada, podias provavelmente imputar as despesas do Hospital ao Fundo de Garantia Automóvel.

https://www.asf.com.pt/NR/exeres/859265FC-0C1E-4495-A986-AEAEE779B453.htm
O Fundo de Garantia Automóvel é um fundo público autónomo, gerido pela Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões, destinado a satisfazer indemnizações devidas em consequência de acidente de viação. O Fundo de Garantia Automóvel responde por danos materiais e/ou corporais quando o responsável não beneficie de seguro obrigatório de responsabilidade civil automóvel. Nas condições previstas na Lei o Fundo de Garantia Automóvel pode também ser chamado a indemnizar as pessoas lesadas, ainda que o responsável seja desconhecido.
 

pemartins

Well-Known Member
Agradeço as vossas opiniões mas mesmo assim continua haver alguma contradição no que alguns dizem. Ora, ontem fui à GNR que tinha tomado conta da ocorrência, onde não ficou registada a matrícula do carro pois ninguém conseguiu tirar. Depois fui ao hospital, lá me perguntaram o que se tinha passado ao que respondi que tinha caído de bicicleta e que a queda tinha sido provocada por um carro eque o condutor se pôs em fuga. Pediram-me que regista-se por escrito e assim fiz. No gabinete de contabilidade indicaram-me que apenas iria pagar as taxas moderadoras e mandaram-me para o balcão da urgência para pagar. Já na urgência indicam-me que não tenho nada a pagar pois a minha entrada na urgência estava justificada, o senhor ainda me disse que havia uma entidade que iria suportar os custos mas não consegui memorizar o nome, fiquei com ideia que era o INEM mas não tenho a certeza. Acabei por não pagar nada mas não fiquei completamente descansado devido às contradições dentro do próprio hospital entre o gabinete de contabilidade e balcão da urgência relativamente ao pagamento das taxas moderadoras.
 

NULL

Moderador
Staff member
Agradeço as vossas opiniões mas mesmo assim continua haver alguma contradição no que alguns dizem. Ora, ontem fui à GNR que tinha tomado conta da ocorrência, onde não ficou registada a matrícula do carro pois ninguém conseguiu tirar. Depois fui ao hospital, lá me perguntaram o que se tinha passado ao que respondi que tinha caído de bicicleta e que a queda tinha sido provocada por um carro eque o condutor se pôs em fuga. Pediram-me que regista-se por escrito e assim fiz. No gabinete de contabilidade indicaram-me que apenas iria pagar as taxas moderadoras e mandaram-me para o balcão da urgência para pagar. Já na urgência indicam-me que não tenho nada a pagar pois a minha entrada na urgência estava justificada, o senhor ainda me disse que havia uma entidade que iria suportar os custos mas não consegui memorizar o nome, fiquei com ideia que era o INEM mas não tenho a certeza. Acabei por não pagar nada mas não fiquei completamente descansado devido às contradições dentro do próprio hospital entre o gabinete de contabilidade e balcão da urgência relativamente ao pagamento das taxas moderadoras.
Se grosso modo quem tem que pagar as custas é o seguro do carro que, supostamente, provocou o acidente. Como não consegues identificar o automóvel tens um problema...

Tenho um amigo que teve um acidente do género mas em vez de um automóvel foi um cão. O melhor que ele fez foi dizer que caiu sozinho. Os milhares e milhares de € que custaram semanas de internamento, cirurgias, etc. foram assumidos pela segurança social e não teve que andar à procura de culpados e de saber de quem era o cão... Se ele insistisse que o acidente teria sido provocado por um cão possivelmente as custas seriam imputadas a ele e ele teria que pedir responsabilidades ao dono do cão.

Edit: Não sei que valores estamos a falar mas se forem valores elevados o melhor conselho que te posso dar é o mesmo que lhe dei a ele... fala com um advogado.
 
(...) Já na urgência indicam-me que não tenho nada a pagar pois a minha entrada na urgência estava justificada, o senhor ainda me disse que havia uma entidade que iria suportar os custos mas não consegui memorizar o nome, fiquei com ideia que era o INEM mas não tenho a certeza. (...)
Eu diria que essa entidade é o Fundo de Garantia Automóvel, como eu disse acima.
Quando tive um acidente, também recebi passado umas semanas uma fatura do hospital para pagar o episódio de urgência. Vinha também um questionário para eu preencher onde deveria indicar o responsável pelo acidente, companhia de seguros, apólice, etc. Preenchi isso com os dados que tinha do outro veículo (no meu caso, não houve fuga) e anexei cópia da participação à seguradora dele. Assim não tive que pagar nada.

No teu caso, procurava saber junto da contabilidade do hospital ou junto da ASF (entidade que gere o FGA) como proceder.
 
tambem caí há uns anos atrás, fui de ambulancia para o hospital, levei pulseira amarela na triagem, a partir daí fiquei isento das taxas. não paguei nada, e fiz varios RX e analises.
Comigo aconteceu o mesmo mas só foram 3 pontos na cabeça. Ao sair esqueci-me de passar na secretaria do hospital para ver se tinha que pagar algo. Até hoje não apareceu nada em casa.
Foi no hospital de Barcelos em 2018.
 
As palavras chave aqui são "acidente de viação". Com essas 3 palavras no processo o hospital apresenta a fatura, que poderá ser remetida para o responsável pelo acidente. Continuo a achar que neste caso quem terá que assumir a responsabilidade é o FGA.
 

pemartins

Well-Known Member
Vamos la atualizar isto, foram 25 dias de paragem completa, de 7 a 31 de Agosto. As dores na coluna eram bastantes o que obrigou a descanso, logo nada de esforços, foi só comer e descansar até porque pelo meio se meteram 2 semanas de ferias. Sendo assim dos 59kg passei para os 63kg e uma pequena barriga começou aparecer! Dia 1 de Setembro foi o regresso à estrada.
Breve resumo dos primeiros 15 dias de Setembro

Perdi o cárdio e resistência mas até duas horas de duração ainda consegui fazer boas médias


Este não estava mesmo à espera, 29.5km/h de média!


Já a segunda semana passou por treinos no rolo e voltei a correr. A posição na bicicleta revelou-se mais confortável que na corrida onde ainda senti algumas dores nas costas que foram diminuindo com o passar dos dias.
 

pemartins

Well-Known Member
Resumo da semana
14 a 20 Setembro

Esta semana a nível de ciclismo foi pouco produtiva, não por falta de vontade mas porque a bicicleta esteve na oficina até sábado, sendo assim foi apenas um treino no rolo no domingo. Aproveitei para correr 5 dias, treinos ligeiros a rondar os 9-10km com ritmos perto dos 4:30min/km.