Provas/Granfondos Amadoras Estrada 2022

NULL

Moderador
Staff member
Então como é que correu o mundial do "cotas"?
Vi no teu Strava que não foi o resultado desejado mas valeu pela experiência.
E quanto aos outros? Ouvi dizer que tivemos um 6° lugar?(o Martinho)o_O

Houve 4 Top 10 para tugas...

5 para o Nuno Manso em 40-45
6 para o Martinho em 40-45
6 para Gonçalo Freitas em 19-34
9 para o Brito velho em 40-45

Segundo soube aquilo foi um nível muito alto. Ritmo muito forte e pouca, ou quase nenhuma, gente a andar mal.
 

RTC

Moderador
Staff member
Houve 4 Top 10 para tugas...

5 para o Nuno Manso em 40-45
6 para o Martinho em 40-45
6 para Gonçalo Freitas em 19-34
9 para o Brito velho em 40-45

Segundo soube aquilo foi um nível muito alto. Ritmo muito forte e pouca, ou quase nenhuma, gente a andar mal.
Para o ano temos lá o Brito novo a mostrar como é :p
 

{the_crow}

Well-Known Member
Houve 4 Top 10 para tugas...

5 para o Nuno Manso em 40-45
6 para o Martinho em 40-45
6 para Gonçalo Freitas em 19-34
9 para o Brito velho em 40-45

Segundo soube aquilo foi um nível muito alto. Ritmo muito forte e pouca, ou quase nenhuma, gente a andar mal.

adonde é que viste os resultados?
 

jpacheco

Well-Known Member
Sim... desculpa. Fez várias passagens nos primeiros lugares mas acabou por terminar em 8. Confundi com o Ruffaut que fez sexto... esse foi o que ganhou em Coimbra no ano passado.

Mas o 8º do Freitas não se compara com os restantes resultados. O homem é uma máquina. Todas as outras categorias fizeram tempo piores.
 

NULL

Moderador
Staff member
Mas o 8º do Freitas não se compara com os restantes resultados. O homem é uma máquina. Todas as outras categorias fizeram tempo piores.

Concordo e discordo.

Concordo que o Freitas é uma máquina. A subir está realmente num nível acima dos outros em Portugal... parece-me que só o Mayo e o Prada é que lhe podem fazer concorrência.

Discordo da comparação com os outros escalões, e discordo por vários motivos.
Comparar posições entre diferentes escalões é injusto, mas nesta prova em particular ainda é mais injusto.
Comparar tempos com pessoal 15 anos mais velho não é sensato.
Por fim, não sei se sabes mas neste granfondo a saída foi faseada, isto é, os primeiros a sair foram os M19-34, depois M35-39, depois M 40-44 e assim sucessivamente. Os intervalos eram de 3 minutos entre escalões. Achas que é igual arrancares no grupo M19-34 ou no M40-44 por exemplo? O teu ritmo, a correr bem, será o ritmo do teu escalão... a correr muito bem! Tens noção do ritmo do escalão M19-34? Repara na margem de idades... apanha tudo que é topos de performance física e mete muita mais gente.
Por isso é que digo que comprar tempos assim não me parece justo.
 

DVG

New Member
Boas. Eu tenho a minha inscrição com dorsal nº250 para o mediofondo da Lousã para vender. Irei ter outro compromisso nesse dia, portanto será impossível marcar presença. Quem tiver interesse, entre em contacto comigo.
 

Bernalve

Well-Known Member
Então como é que correu o mundial do "cotas"?
Vi no teu Strava que não foi o resultado desejado mas valeu pela experiência.
E quanto aos outros? Ouvi dizer que tivemos um 6° lugar?(o Martinho)o_O

A mim correu mal a nível de sensações. Pensei desistir porque estava com uma pedalada muito desconfortável.

Foi muito stressante a viagem na sexta. O voo foi cancelado. Tive de fazer a viagem toda de carro. Cheguei Sábado à tarde com uma directa. Os meus pais ajudaram bastante, fomos revezando na condução.
Depois foi chegar, montar a bicicleta, buscar dorsal. Muita coisa em cima da hora. A pedalada desconfortável e as más sensações foi devido a uma pequena crise com uma hemorróida e uma tosse que se arrasta desde de Agosto que piorou quando cheguei ao topo da 1ª subida de Bondone devido ao frio.

Basicamente, meti o meu ritmo mais confortável possível nas subidas e tentar ao máximo nas descidas e nas zonas mais planas seguir na roda da malta. Eu nem sofri muito para terminar a prova. Nunca puxei o corpo ao máximo. Foi mesmo tentar terminar e desfrutar onde desse. Eu cheguei à ultima descida para a meta "farto de pedalar" Algo que já não me acontecia a algum tempo xP

No geral, diferenças para GFs em Portugal foi a velocidade muito elevada para mim, principalmente nas descidas com poucas curvas. A malta larga o travão, além de terem todos grandes máquinas que a descer faz uma diferença absurda.
Não deu para sentir bem o ritmo da malta que ia na frente. Eu abdiquei logo de tentar sequer ir com eles. O ritmo dos "gruppetos" que iam ficando para trás era acessível.

Acho que num dia saudável com disponibilidade para sofrer, conseguia ir alí a bater-me dentro do top50 e recuperar alguma coisa nas subidas. Acho que terminei em 158 no meu escalão em 200 e poucos que terminaram.

Concluído, foi um boa experiência, mas já sabia para o que ia. É um tipo de prova que tem de ser muito bem preparada. Treinos em subidas longas. Treinar a habituação à altitude uns dias ou semanas antes é importante. Ir mais cedo possível para o local da prova, etc... E em cima de tudo estar saudável ahaha
 

RTC

Moderador
Staff member
A mim correu mal a nível de sensações. Pensei desistir porque estava com uma pedalada muito desconfortável.

Foi muito stressante a viagem na sexta. O voo foi cancelado. Tive de fazer a viagem toda de carro. Cheguei Sábado à tarde com uma directa. Os meus pais ajudaram bastante, fomos revezando na condução.
Depois foi chegar, montar a bicicleta, buscar dorsal. Muita coisa em cima da hora. A pedalada desconfortável e as más sensações foi devido a uma pequena crise com uma hemorróida e uma tosse que se arrasta desde de Agosto que piorou quando cheguei ao topo da 1ª subida de Bondone devido ao frio.

Basicamente, meti o meu ritmo mais confortável possível nas subidas e tentar ao máximo nas descidas e nas zonas mais planas seguir na roda da malta. Eu nem sofri muito para terminar a prova. Nunca puxei o corpo ao máximo. Foi mesmo tentar terminar e desfrutar onde desse. Eu cheguei à ultima descida para a meta "farto de pedalar" Algo que já não me acontecia a algum tempo xP

No geral, diferenças para GFs em Portugal foi a velocidade muito elevada para mim, principalmente nas descidas com poucas curvas. A malta larga o travão, além de terem todos grandes máquinas que a descer faz uma diferença absurda.
Não deu para sentir bem o ritmo da malta que ia na frente. Eu abdiquei logo de tentar sequer ir com eles. O ritmo dos "gruppetos" que iam ficando para trás era acessível.

Acho que num dia saudável com disponibilidade para sofrer, conseguia ir alí a bater-me dentro do top50 e recuperar alguma coisa nas subidas. Acho que terminei em 158 no meu escalão em 200 e poucos que terminaram.

Concluído, foi um boa experiência, mas já sabia para o que ia. É um tipo de prova que tem de ser muito bem preparada. Treinos em subidas longas. Treinar a habituação à altitude uns dias ou semanas antes é importante. Ir mais cedo possível para o local da prova, etc... E em cima de tudo estar saudável ahaha
E eu que já stresso para não chegar atrasado à prova do bairro!!!
Isso é de valor @Bernalve. Tiro-te o chapéu. E elogio o apoio dos teus pais!
Que história!
Boa recuperação.
 
Top