Mais uma morte ... até quando isto vai continuar a acontecer?

GMQ

Well-Known Member
De parte a parte não existe de um lado só santos e do outro apenas demónios. Erros e vícios existem nos dois lados. Agora que os automobilistas e outros cidadãos motorizados Portugueses gozam de má reputação lá fora isso não há dúvidas. Existe muita gente que ainda continua a ver a bicicleta com um meio de transporte menor e não merecedor do mesmo tratamento. Mas isso vê-se também entre outras categorias de veículos motorizadas. Tudo se resume à cultura de um povo. No norte da Europa, existem países que se dá preferência à bicicleta em detrimento dos veículos automóveis mas existe respeito de parte a parte.
Do lado das duas rodas a pedal há quem abuse e não é apenas ignorando semáforos, mas sentidos proibidos etc e depois resultam acidentes.
É necessário uma mudança.
 

SantosDaCasa

Well-Known Member
Sob pena de ferir algumas susceptibilidades, o problema que estamos a discutir (não cumprimento de normas de circulação em estrada) sofre do mesmo que tantas outras coisas em Portugal:
- Ausência de fiscalização e penalização adequadas
- Falta de respeito pelas outras pessoas

A primeira é um civismo "imposto" e pode ser corrigida com autoridades mais presentes e mais rigorosas (e já agora, que deêm o exemplo).
A segunda já parte de cada um de nós e, no meu entender, está relacionada com a nossa cultura em que ainda premiamos o chico-espertismo sobre a seriedade.

Eu também sou mais um dos "otários" que mete o pé no chão nos vermelhos. :)
 

duchene

Well-Known Member
Poderá ter havido alguma liberdade na interpretação, mas eu não disse que devemos aceitar as tangentes como punição e que estamos perante uma situação de acção/recompensa.

O que eu disse é que antes que apontemos o dedo a dizer que somos sempre os ameaçados por nos fazerem tangentes, deveremos mudar definitivamente a nossa atitude e passar a integrar e respeitar as regras. Assim como 80% dos condutores não poderá saber as regras de cedência de passagem actualizadas, provavelmente 80% dos ciclistas também desrespeitam o código de forma grosseira.

Mudar essa atitude é algo que depende inteiramente de nós e, portanto, entendo que é por aí que devemos começar cada vez que vamos para a estrada. Cumprindo e excedendo as recomendações e as normas.

Não porque queremos ser recompensados directamente, mas porque finalmente interiorizamos que é assim que se vive em sociedade. Pelo caminho, e como comportamento gera comportamento, estaremos a consciencializar os outros utilizadores da via. E isso certamente que se traduzirá em mais respeito de futuro. O trabalho tem de existir de ambas as partes mas, mais uma vez, não nos podemos escudar do que a outra parte faz ou deixa de fazer para deixarmos de fazer o que nos compete. Chama-se a isso proactividade...
 

JPLopes_73

Well-Known Member
Boas,

concordo100%. Mas com isto tudo há alguns condutores que apesar de virem da direita fazem questão que a bicicleta passe antes deles ... e cada um tem de resolver o melhor que conseguir no momento.

Mas sim, concordo que devemos ter redobradas atenções e não dar por garantidos nenhum dos direitos, até porque levar com um automovel em cima é bem pior do que levar com uma bicicleta ... e talvez seja essa a diferença que tenha de ser atendida em 1ª instância.

Desde que me propus como randonneur tenho feito um esforço para cumprir integralmente as regras ... rotundas , sinalização, regras, etc ... e não fiquei mais pobre por isso. Demora mais uns segundos a chegar? Esperem ...
 

Lira

Member
Sob pena de ferir algumas susceptibilidades, o problema que estamos a discutir (não cumprimento de normas de circulação em estrada) sofre do mesmo que tantas outras coisas em Portugal:
- Ausência de fiscalização e penalização adequadas
- Falta de respeito pelas outras pessoas

Também penso que o problema reside nesses dois aspectos.
Eu nunca consegui compreender como a nossa sociedade tem como dado adquirido que toda a gente tem capacidade para conduzir um automóvel, quando é por demais evidente que isso não é de todo verdade. É demasiado fácil obter carta de condução e para complicar ainda mais há muita gente que paga por fora para a ter. Depois, naturalmente, temos na estrada pessoas que basicamente andam à mercê da sorte e são um perigo para eles e para os outros! Infelizmente não há fiscalização suficiente, as pessoas fazem barbaridades na estrada e nunca lhes acontece nada. Não há vigilância suficiente e as pessoas não temem serem apanhadas a violar as regras de trânsito, na maior parte dos casos até acham piada e acham que são muito espertos.

No entanto, penso que mesmo com pouca fiscalização se houvessem penalizações adequadas a situação poderia melhorar muito. Desculpem se vou ofender alguém mas, para mim, se alguém vai num automóvel e provoca um acidente com vítimas mortais tendo a culpa por desrespeitar as regras deveria sempre ir preso. Quando uma pessoa se mete a conduzir deveria ter sempre esse sentido de responsabilidade, conduzir não deveria ser uma coisa tão banal. A vida das pessoas deveria ser sempre o mais importante mas sinceramente eu não vejo a maioria dos condutores a pensarem sequer nisso quando andam na estrada. Não sei se isto é por motivos culturais ou não, mas punições severas deviam ajudar a meter na cabeça das pessoas que conduzir é algo muito sério e não é para todos.

Com isto também me refiro aos ciclistas e todos os que partilham a estrada como é óbvio. As regras existem para nos proteger! Porque é que toda a gente se esquece sempre disso?

Enfim, eu tenho medo de andar na estrada seja dentro de um carro ou na bicicleta mas, não podemos deixar de fazer as coisas que gostamos só porque temos medo! Gostava era que as coisas mudassem, principalmente que as pessoas mostrassem respeito pela vida dos outros.
 

lgass

Well-Known Member
Creio que isto se adequa

David Rosa é o primeiro subscritor da petição “Pelo Direito a Pedalar em Segurança”

A petição é uma iniciativa para fiscalizar com mais intensidade o cumprimento da lei, de forma diligente, regular e consistente.

David Rosa, o atleta que representou Portugal na modalidade de Cross Country Olímpico (XCO) nos Jogos Olímpicos Londres2012, é o primeiro subscritor da petição “Pelo Direito a Pedalar em Segurança”, hoje lançada.

A petição é uma iniciativa da Estrada Viva, que conta com o apoio da Federação Portuguesa de Ciclismo (FPC) e da MUBi – Associação pela Mobilidade Urbana em Bicicleta, na qual os signatários instam o Governo e demais entidades competentes “a fiscalizar com mais intensidade o cumprimento da lei, de forma diligente, regular e consistente”.

Entre os comportamentos perigosos em relação aos ciclistas que devem ser fiscalizados, o documento aponta os excessos de velocidade, o incumprimento de regras de ultrapassagem (abrandamento da velocidade, ocupação da via adjacentes, no caso da ultrapassagem de ciclistas, e a distância mínima de 1,5 metros) ou o estacionamento ilegal sobre ciclovias e passeios.

A petição defende a revisão do Regulamento de Sinalização de Trânsito, “de forma a incluir sinalética específica para proteger peões e condutores de bicicleta e alertar para a necessidade de comportamentos mais responsáveis por parte de condutores de automóvel”.

Um exemplo seria a colocação de sinais de informação de presença de ciclistas, complementados com afixação de sinalética sobre a distância mínima de um metro e meio na ultrapassagem.

De acordo com o comunicado da FPC, a iniciativa surge porque “Portugal continua a apresentar estatísticas vergonhosas no que respeita ao número de vítimas mortais e feridos graves”, apesar das melhorias significativas na proteção aos utilizadores vulneráveis, conseguidas com a revisão do Código da Estrada, em 2014.

O documento, que poderá ser subscrito em http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=PT79814, será enviado ao Governo, ao Instituto de Mobilidade e dos Transportes e à Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária.

A Estrada Viva e as organizações que a apoiam vão requerer uma audiência com a ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, para propor a criação de um grupo de trabalho interministerial para lançar e coordenar as medidas urgentes propostas pelos peticionários.

Fonte
 

Vega

New Member
A minha modesta contribuição é a seguinte:

- andar à noite é super perigoso. Se o fizerem iluminem-se abundantemente. Ponham reflectores nas rodas, pirilampos, neons, lazers, mas iluminem-se à séria. Eu ando de carro e por vezes os ciclistas não se avistam facilmente à noite. Juntem a isso nevoeiro, neblina, chuva, que é frequente no inverno e pensem.

- nunca passar o vermelho nem infringir as regras de trânsito. Temos que dar o exemplo se queremos chamar a atenção dos não ciclistas. Antes eu infrigia e agora tento não o fazer.

- continuo a pensar que a condução defensiva é a mais segura, isto é, andar na berma o mais possível, muito cuidado em cruzamentos e manobras mesmo que o código diga que temos razão. Somos vulneráveis. E por outro lado passamos mais despercebidos do que um camião por exemplo.

Tudo isto é muito triste. As mais sinceras condolências à família e amigos do Tiago.
 

undernardo

Active Member
Creio que isto se adequa
Fonte
O sentimento que se passa nas estradas é exactamente o mesmo que se passa nos comentários dessa petição e enquanto não houver bom senso das duas partes, podem criar as petições que quiserem. A facilidade com que se parte para o insulto quando as opiniões não coincidem é notável (mas isso acontece com quase tudo em Portugal, não é verdade?). E tão facilmente acontece numa petição, numa noticia do Facebook como depois acontece na estrada.

Primeiro é preciso invocar princípios morais e só depois dessa consciencialização é que partimos para as leis e direitos/deveres. Eu pedalo com regularidade pelo Algarve e noto que há uma maior compreensão por parte dos automobilistas estrangeiros do que por parte dos portugueses quer na forma como ultrapassam como pela forma como nos olham na estrada.
 

Martins

Well-Known Member
O sentimento que se passa nas estradas é exactamente o mesmo que se passa nos comentários dessa petição e enquanto não houver bom senso das duas partes, podem criar as petições que quiserem....

Precisamente.

O que eu vejo aqui na zona (e que não deve andar longe do que se passa no resto do país) é que há dois grandes grupos de pessoas:

1) Composto pelos ciclistas que vêem os carros que lhe fazem tangentes, os carros que não lhe dão prioridade num cruzamento ou rotunda quando deveriam e que basicamente acham que os carros deviam estar todos nas garagens quando eles saiem de casa para pedalar.
2) Composto pelos automobilistas que SÓ vêem os ciclistas que não param nos STOPS nem nos vermelhos, que em grupo mandam parar os carros nas rotundas, que não são capazes de alongar o grupo para facilitar a ultrapassagem e que acham que as bicicletas deviam estar confinadas às ciclovias, ou noutro sitio qualquer. mas acima de tudo bem longe das estradas onde eles gostam de acelerar descansados.

- Depois há as excepções, ciclistas que cedem passagem, quando têm que ceder e param onde têm que parar, que olham para as tangentes como uma excepção porque os 20 carros que passaram antes fizeram-no cumprindo uma distância de segurança considerável, que acenam aos carros e os olham como companheiros na estrada, mas acima de tudo olham para os carros com muito respeito porque aquele pedaço de chapa com 1500 kgs pode fazer muito estrago.
- Também há excepções nos automobilistas, que mantêm distancias de segurança, que praticam no dia a dia uma condução defensiva seja com camiões, carros ou bicicletas, seja numa auto-estrada numa nacional ou dentro de uma localidade.


Primeiro é preciso invocar princípios morais e só depois dessa consciencialização é que partimos para as leis e direitos/deveres....

Seriam esses princípios a evitar uma grande parte dos acidentes entre carros ou entre carros e bicicletas.
Se olharmos às estatísticas dos acidentes de viação é fácil de depreender que há condutores perigosos a mais nas estradas. Mas não serão esses condutores também condutores de bicicletas em muitos dos casos?

Quando todos deixarem de ir para estrada (de carro, bicicleta, de cavalo, de tractor ou camião) mostrar que são mesmo bons, ou até os melhores lá do bairro... talvez as coisas mudem para melhor

Abraço
 

Bracaro

Member
Pode haver quem não concorde com isto, mas um carro é equiparável a uma arma; e uma arma muito perigosa nas mãos de pessoas inconscientes.
Não quero aqui desculpar a atitude deplorável de alguns ciclistas, mas a verdade é que o ciclista é o elemento mais vulnerável na estrada. Infelizmente no nosso país é fácil de mais tirar a carta de condução e anda por aí muita gente que mal sabe conduzir e não tem nenhuma noção de civismo e respeito pelos outros.
Se eu não gostasse tanto de andar de bicicleta já há muito que a teria encostado e dedicava-me a um desporto mais tranquilo. Sempre que saio para a estrada pergunto a mim mesmo se será o último dia, porque é rara a vez em que não apanhe uns sustos. Ou são as tangentes em excesso de velocidade, ou é o palerma que entra nas rotundas sem respeitar a bicicleta, ou é o espertinho que ultrapassa para logo virar à direita, ou é o artista que gosta de fazer as curvas por dentro, enfim... até hoje a coisa tem corrido bem.
Repito que também há alguns tipos que deviam encostar a bike, mas a verdade é que os mais desrespeitadores em duas rodas costumam ser aqueles que só pegam na bicicleta ocasionalmente ou que agora andam de bike porque fica bem.
Tal como já aqui foi dito por alguém, também eu penso que devia haver mais fiscalização nas estradas e consequentemente mais repressão sobre os automobilistas que não respeitam as bicicletas. Neste país, em que há uma cultura da desresponsabilização e em que a culpa quase sempre morre solteira, a coisa só lá vai com multas pesadas. Quem nunca viu condutores desatentos por causa do telemóvel? Quem nunca sentiu um carro a fazer uma tangente ao guiador a mais de 100 km/h? Quem nunca apanhou um valente susto porque um carro não respeitou a prioridade? A verdade é que nunca vi ninguém ser multado por não respeitar o metro e meio obrigatório nas ultrapassagens.
É certo que todos nós ciclistas temos a obrigação de cumprir o Código da Estrada e facilitar a circulação aos outros utentes da via, mas não podemos ser vistos como um estorvo na estrada. Uma bicicleta tem tanto direito a circular nas estradas como os outros veículos. Apenas exigimos respeito e atenção por sermos o elemento mais frágil. Eu sei que há muita gentinha para quem as bicicletas são um empecilho e até há quem goste de dificultar a vida aos ciclistas.
Vamos ter esperança que as coisas mudem para melhor e entretanto vamos continuando a fazer aquilo de que gostamos, que é passar uns bons bocados a pedalar.
 

undernardo

Active Member
Nada a acrescentar, Martins! A Lira, um pouco mais em cima, disse uma coisa na qual a maioria das pessoas raramente pensa: conduzir não deveria ser uma coisa tão banal.

Só para finalizar aqui a minha participação pegando num exemplo muito simples. Os automobilistas deveriam olhar para os ciclistas da mesma maneira que os camionistas olham para os carros e motociclos. A partir do momento em que conduzem um veiculo cujas dimensões superam as dos demais, então o cuidado tem de ser redobrado. O mínimo descuido ou deslize é suficiente para provocar um acidente. É a mesma coisa entre carros e ciclistas mas como conduzir um automóvel é tão banal...
______

Bom post, Bracaro!! ;)
 

GMQ

Well-Known Member
Undernardo o problema é que a prática demonstra-me o contrário. Regra geral quem está num camião pensa que tem prioridade sempre em qualquer situação. Isto pode não ser a regra mas comigo já sucedeu inúmeras vezes. Dou-te um exemplo no meu percurso para o trabalho por vezes faço uma atalho e passo junto de uma empresa que faz cimento armado. Posso estar em cima da saida/entrada das instalações os tipos com os camiões betoneira estando a entrar ou sair nunca param e tu que estas a circular e tens prioridade se quiseres reduzes a velocidade se não espatifas o carro num monstro daqueles. Infelizmente esta é também a maneira de ver as coisas da maioria da malta que conduz veiculos ligeiros. Vem ai uma bicicleta?! O gajo que espere!! Ainda há uns tempos estava eu a uns 15 metros de um entroncamento à esquerda aproxima-se uma pick-up tem contacto visual comigo e faz-se à estrada. Eu ia a andar ainda tive que fincar bem os travões mas como ando na estrada à defesa já estava a prever aquela atitude. Gritei, gesticulei e foi como se nada fosse olharam ignorando-me. A malta regra geral olha para as bicicletas como algo inferior e que não deveriam andar na estrada. Jà tive um tipo todo furioso a argumentar que pagava impostos para andar de moto, logo naquela cabeça iluminada tinha direito a circular na estrada. Eu tenho a minha situação fiscal regularizada, mas que recordo não existe num beneficio fiscal que permita ter prioridade de circulação numa estrada por isso, senão muita gente já teria que andar a pé...:p
 

Bruso

Well-Known Member
[video]https://www.facebook.com/MarioFonsecaXCM/videos/1001766876547470/[/video]

Só mais um testemunho incendiário de quem faz muitos km's na estrada.

Eu sou sincero, eu sou daqueles que quando vou dentro do carro vou à outra faixa para ultrapassar uma bicicleta, e por vezes antes de ultrapassar ainda fico um pouco atrás dela para ver se reconheço o ciclistas xD. Quando vou na bicicleta vou sempre à defesa e tento sempre ajudar os automobilistas que passam por mim, indicando quando podem ultrapassar e agradecendo toda a paciência quando têm de esperar para me ultrapassar. Sou obrigado a fazer? não. Custa-me fazer: também não. Sinto-me bem em fazê-lo? Sim.

Na Madeira foram raros os problemas que tive com carros. Mesmo quando andei na zona mais movimentada da ilha (centro do Funchal), nunca tive problemas com carros. EM zonas mais remotas o pessoal tem sempre a tendência de apitar (não concordo mas agradeço a atenção) para avisar que me vai ultrapassar. Acredito que o facto de andar sozinho contribui muito para a ausência de casos problemáticos. Mas concordo plenamente com o que foi dito pelo Martins: Há sujeitos que quando saem para a rua com a sua bicicleta, querem as estradas só para eles e esbracejam por tudo e por nada.

Resumindo: Há muita coisa a melhorar na sociedade Portuguesa. A maior pena que tenho é que uma delas seja a cultura. O tal facilitismo, a corrupção, o chique espertismo etc etc. São coisas intrisecas da nossa cultura e que infelizmente muito dificilmente vão mudar.

PS: GMQ: é betão pronto ;)
 

joaocss

New Member
concordo com muita coisa do que foi dita aqui como discordo de algumas outras, neste momento sou mais condutor de automovel do que ciclista, e nos 80 e tal km diarios que faço encontro bastantes ciclistas a irem para o emprego, alguns dos quais meus colegas de trabalho e tento sempre respeitar como é obvio, mas alguns metem-se a jeito... ja li aqui que ha pessoal que se situa no meio da via afim de se ver bem ou de obrigar o condutor do veiculo a parar...
O que está completamente errado, é uma das coisas que se deve evitar a todo o custo e que me causa muita irritação...
segundo o codigo da estrada

«Velocidade lenta é aquela cuja lentidão cause embaraço injustificado ao trânsito. Os condutores não devem transitar em marcha cuja lentidão cause embaraço injustificado aos restantes utentes da via.»

e isto aplica-se a mata velhos motas carros e bicicletas... ou seja se vai numa nacional cujo a velocidade é de 90 e o ciclista vai a 20 ou 30 tem como dever encostar mais a direita e deixar passar os restantes utilizadores da via e não o contrario...

assim como o condutor tem o dever de se desviar a 1,5m do ciclista, claro que isto é quase impossivel na maioria das nossas estradas nacionais, isto se tiver um traço continuo.

agora se o ciclista se encostar mais a direita possivel e o condutor do autmovel desviar mesmo que seja so 80cm ou 1 metro e passar a velocidades moderadas é tudo bastante seguro para os 2... digo eu...
 

gfrmartins

Well-Known Member
concordo com muita coisa do que foi dita aqui como discordo de algumas outras, neste momento sou mais condutor de automovel do que ciclista, e nos 80 e tal km diarios que faço encontro bastantes ciclistas a irem para o emprego, alguns dos quais meus colegas de trabalho e tento sempre respeitar como é obvio, mas alguns metem-se a jeito... ja li aqui que ha pessoal que se situa no meio da via afim de se ver bem ou de obrigar o condutor do veiculo a parar...
O que está completamente errado, é uma das coisas que se deve evitar a todo o custo e que me causa muita irritação...
segundo o codigo da estrada

«Velocidade lenta é aquela cuja lentidão cause embaraço injustificado ao trânsito. Os condutores não devem transitar em marcha cuja lentidão cause embaraço injustificado aos restantes utentes da via.»

e isto aplica-se a mata velhos motas carros e bicicletas... ou seja se vai numa nacional cujo a velocidade é de 90 e o ciclista vai a 20 ou 30 tem como dever encostar mais a direita e deixar passar os restantes utilizadores da via e não o contrario...

assim como o condutor tem o dever de se desviar a 1,5m do ciclista, claro que isto é quase impossivel na maioria das nossas estradas nacionais, isto se tiver um traço continuo.

agora se o ciclista se encostar mais a direita possivel e o condutor do autmovel desviar mesmo que seja so 80cm ou 1 metro e passar a velocidades moderadas é tudo bastante seguro para os 2... digo eu...

Com estas partes é que não consigo concordar:

"ou seja se vai numa nacional cujo a velocidade é de 90 e o ciclista vai a 20 ou 30 tem como dever encostar mais a direita e deixar passar os restantes utilizadores da via e não o contrario"

"claro que isto é quase impossivel na maioria das nossas estradas nacionais, isto se tiver um traço continuo."

1º a via não é velocidade de 90, é no MAXIMO 90, que tem que ser adequada à via e ao trafego, e as bicicletas têm o MESMO direito de circular nelas (salvo indicação em contrario) as vias não são exclusivas para carros, se existe um veiculo mais lento a circular nela só tem que ultrapassar quando puder e for seguro ( não tem nada a ver com causar embaraço no transito)

2º se for uma via com traço continuo não ha nada mais simples NÃO pode ultrapassar ou não pode ultrapassar sem pisar o traço, se tal não for possivel não ultrapassa, espera para ultrapassar quando for permitido e seguro.

Claro que depois entra o bom senso de ambas as partes, mas partir desses pressupostos que referiste é totalmente errado na minha opinião, é partir do pressuposto que o carro tem mais direitos que os outros veiculos neste caso a bicicleta só porque é mais lenta e pequena
 

joaocss

New Member
Com estas partes é que não consigo concordar:

"ou seja se vai numa nacional cujo a velocidade é de 90 e o ciclista vai a 20 ou 30 tem como dever encostar mais a direita e deixar passar os restantes utilizadores da via e não o contrario"

"claro que isto é quase impossivel na maioria das nossas estradas nacionais, isto se tiver um traço continuo."

1º a via não é velocidade de 90, é no MAXIMO 90, que tem que ser adequada à via e ao trafego, e as bicicletas têm o MESMO direito de circular nelas (salvo indicação em contrario) as vias não são exclusivas para carros, se existe um veiculo mais lento a circular nela só tem que ultrapassar quando puder e for seguro ( não tem nada a ver com causar ambaraço no transito)

2º se for uma via com traço continuo não ha nada mais simples NÂO pode ultrapassar ou não pode ultrapassar sem pisar o traço, se tal não for possivel não ultrapassa, espera para ultrapassar quando for permitido e seguro.

Claro que depois entra o bom senso de ambas as partes, mas partir desses pressupostos que referiste é totalmente errado na mina opinião

estas certo e concordo ctg, mas tas errado na velocidade lenta, segundo a lei é considerado embaraço para o transito andar a velocidades reduzidas numa nacional que se pode circular a velocidade maxima de 90. ja vi GNR a altuar veiculos por causa disso... irem a 30 sem motivo nenhum... garanto-te que é assim que a lei é entendida por quem regula.
 

gfrmartins

Well-Known Member
Eu sei que sim mas estás a falar de carros, desde quando é que uma bicicleta a circular é considerado velocidade lenta e que esteja em contraordenação por estar a causar embaraço?
 

alexandre68

Member
Acho que estás a confundir alhos com bugalhos. Ir a 30 pode ser considerado embaraço para o transito se for de automóvel , agora de bicicleta tinha que andar a 60 não? Além de que a velocidade máxima para ciclomotores é de 45 não sei se sabes.

"• Ciclomotores e quadriciclos só podem transitar dentro das localidades e estradas, sendo
o limite máximo permitido de 40 km/h, nas localidades, e 45 km/h, em estrada;"
 

Carolina

Well-Known Member
o problema não é a velocidade a que vai a bicicleta, o problema é que os carros, em 99% dos casos, não fazem a ultrapassagem de forma correcta.

quando se faz uma ultrapassagem o carro deve ir na sua totalidade para a faixa da esquerda. isto é o que está previsto. na prática, os carros chegam-se só um bocadinho po lado e passam mesmo quando não há espaço.

quando comecei a fazer a marginal ia sempre chegada à direita e estava constantemente a levar com razias. agora vou no meio da faixa e os carros só passam se a faixa ao lado estiver livre ou se eu os deixar passar.
 
Top