N10 e Ciclovias

#82
eu digo que se foda. aquelas ciclovias sao vergonhosas. ando na estrada. ponto. e convido a todos a andarem na estrada. a piscar que nem uma arvore de natal e com respeito por todos. é dinheiro publico deitado ao tejo.
 

sickflick

Well-Known Member
#83
Ultimamente e apesar de não estar a via terminada (suja com postes sinaleticos no meio caixotes do lixo a barra a ciclovia) os automoblistas apitam muito e ralham para mim fazem gestos maus com as mãos.
Eu aceno e digo obrigado e as vezes quando fico chateado acabo por me meter na dita ciclovia mas é tão chato desviar do poste das tampas as pedras enfim... Bom senso é o que se pede no meio disto tudo e espero que não passem de pequenos sustos.

Acredito que o façam por saberem que existe uma ciclovia na via e querem que todos os cicloturistas vão para lá. Tambem devem saver que devem de dar 1,5m ao ciclista quando o ultrapassam, de que n sou obrigado a ter capacete seguro nem matricula nem pagar IUC... ahhhh enfim.

É só um desabafo eu sei que o forum sabe de todas estas situações toda a gente já passou por elas (excempto quem só faz rolo em casa).
 

Tourmalet

Well-Known Member
#84
Isto das ciclovias é um embuste pros ciclistas e não nos protege ou resolve nada, mas é o que dá tomar medidas sem perguntar a quem sabe, de qualquer forma vão servir pra passear com carrinhos de bebé ou fazer caminhadas. Com as eleições à porta vale tudo, até "renovar" as marcas/tracejados brancos em estradas miseráveis só para parecerem com que foram arranjadas. Corja política.
 

JPLopes_73

Well-Known Member
#85
Quem mora entre Lisboa e Alverca já se deve ter deparado com as obras que decorrem há uns meses.

Estaria tudo bem se estas obras fossem de requalificação da N10 e suas bermas e envolventes de modo a dar mais segurança a todos os seus utilizadores. MAS acontece que alguém decidiu criar zonas de ciclovia em que na sua maioria se tem uma zona ciclável com menos de 1m, intercepções com a estrada que retiram prioridade ao ciclista, obstáculos (sinais de trânsito verticais)... para enumerar algumas coisa que a mim me parecem mal pensadas.

Aceito que se tente melhorar a mobilidade urbana, nomeadamente dar espaço aos ciclistas. Mas da forma que estas intervenções estão a ser feitas parece-me que irá falhar - como habitualmente - o seu propósito.

Nós que praticamos ciclismo e usamos a via pública para treinar, não conseguimos partilhar uma ciclovia delimitada quer por lancil de passeio quer por pilaretes com os demais utentes recreativos ou commuters e teremos que partilhar o alcatrão com os demais. Com os automobilistas que por verem que existe uma cilcovia e verem a "sua" N10 mais estreita me parece que serão menos complacentes para connosco.

Temo sinceramente que estas alterações na N10 venham a causar mais desconfortos numa estrada já muito movimentada, mas que por ter bastantes bermas cicláveis sempre me consegui resguardar e evitar sustos de maior. Estas bermas irão desaparecer numa grande parte.

O que acham relativamente a este assunto?!
Boas
por acaso notei alguma dificuldade em chegar a Lisboa na passada 4ª feira no troço Alenquer-Praça do Comércio
No entanto conseguiu-se a tarefa de fazer drift entre viaturas pelas rotundas que iam aparecendo. De salientar que existem muitos cruzamentos com semáforos neste troço da N10 ... até VFXira e depois, mas com alguma atenção tudo se resolve.
Fiquei ainda mais consternado na chegada a Lisboa e ter n+1 interrupções da ciclovia (paragens de autocarro, obras, estaleiros) a partir do parque das nações ... lamentável.
Da qualidade das obras de uma possível faixa restrita para ciclovia ... tenho dúvidas sobre a utilização exclusiva, pela sua delimitação entre veículos.
 

sickflick

Well-Known Member
#86
Começaram a colocar pinos a delimitar a estrada da ciclovia com 3 artefactos ( vulgos caixotes do lixo) na mesma.
Eu as 6h da manhã não estava para fazer zigue zague na ciclovia mantive me na estrada dos donos do asfalto.

Uma senhora simpatica no seu caixote com rodas coloca se ao meu lado e avisa "Sr ciclista sabia que tem uma ciclovia para ir?" , "Tem caixotes a via , tenho me de desviar , Experimente lá ir." "Mas é uma ciclovia etc etc etc"... E continuei em "loop" a dizer " Experimente lá ir , Experimente lá ir ....até que ela deve ter pensado que era maluco e foi a sua vida.

Espero que as obras terminem em breve como já tinha dito o simples facto de terem pintado e os pinos a linitar a via os automobilistas ficam malucos se não estivermos dentro da ciclovia
 

cconst

Well-Known Member
#88
imples facto de terem pintado e os pinos a linitar a via os automobilistas ficam malucos se não estivermos dentro da ciclovia
É isto que estraga. Se tivessem feito a mesma obra mas não tivessem delimitado espaço para as bicicletas, acho que a circulação iria ser melhor para todos. Assim, não serve nem a uns nem a outros. Apenas serve ao pessoal que decide ir passear (jogging, passear o cão,...) junto à N10. Até podia servir para os "miudos" que estão a aprender a andar de bike, mas esses não acredito que vão para a N10...
 

jpacheco

Moderador
Staff member
#89
Um artigo que acho que explica resumidamente aquilo que defendo. Vou ler com mais atenção:

http://www.crp.pt/docs/A45S122-145_Art_T2_7CRP_2013.pdf

Devíamos de ter legislação que obriga-se as entidades responsáveis pela construção e planeamento destas vias..que segui-se normas mais coerentes. Temos tão bons exemplos na europa nos países com maior tradição no uso da bicicleta e só fazemos mer***a gastamos milhoes para nada.
 
#90
Um artigo que acho que explica resumidamente aquilo que defendo. Vou ler com mais atenção:

http://www.crp.pt/docs/A45S122-145_Art_T2_7CRP_2013.pdf

Devíamos de ter legislação que obriga-se as entidades responsáveis pela construção e planeamento destas vias..que segui-se normas mais coerentes. Temos tão bons exemplos na europa nos países com maior tradição no uso da bicicleta e só fazemos mer***a gastamos milhoes para nada.
Claro que não é "para nada". A questão é: "para quem"? ;)
 
#91
Boas,
No Sábado estava uma equipa de filmagem/ reportagem na Póvoa de Santa Iria junto aos semáforos a filmar quem passava na ciclovia.
Não sei se iram fazer alguma reportagem sobre as mesmas .
Cumprimentos,
Jorge
 

joseruivo

Well-Known Member
#92
Eu não percebo a tara pelos Pinos fonix... que gentinha!
Poderiam servir para a malta dos carros perceber que não pode estacionar ali. O problema parece ser o estado da ciclovia e a sua conceção. Na minha opinião a "necessidade" de haver ciclovias - estradas mais largas resolviam a questão, uma faixa pintada no chão já seria eficaz - e barato.
 

jpacheco

Moderador
Staff member
#93
Poderiam servir para a malta dos carros perceber que não pode estacionar ali. O problema parece ser o estado da ciclovia e a sua conceção. Na minha opinião a "necessidade" de haver ciclovias - estradas mais largas resolviam a questão, uma faixa pintada no chão já seria eficaz - e barato.
E é sempre das melhores soluções como se costuma dizer barato e bom. Com a malha viária e a determinados momentos será necessário circular em vias partilhas, rotundas, cruzamentos, estreitamento de estradas, pontes, etc etc. Neste sentido haver ciclovias que não criem barreiras haverá maior aproveitamento do espaço. O artigo que citei em cima parece-me muito bem.
 
#95
Um artigo que acho que explica resumidamente aquilo que defendo. Vou ler com mais atenção:

http://www.crp.pt/docs/A45S122-145_Art_T2_7CRP_2013.pdf

Devíamos de ter legislação que obriga-se as entidades responsáveis pela construção e planeamento destas vias..que segui-se normas mais coerentes. Temos tão bons exemplos na europa nos países com maior tradição no uso da bicicleta e só fazemos mer***a gastamos milhoes para nada.
O problema é que nem vias para o trânsito automóvel fazem em condições, quanto mais ciclovias.
Aqui em Aveiro podia dar-te já alguns exemplos de obras recentes que nota-se que foram feitas por "sapateiros", até simples marcações na estrada em que tu pensas "é impossível alguém errar isto" e vais a ver e ficou uma bela cagada. E a prova disso é que passado alguns dias/semanas, vêem-se os "remendos" que fizeram (e é uma sorte se os fizerem).

Enquanto o automóvel for rei, não há grande volta a dar. Vais lá fora (Bélgica, Holanda, por exemplo) e vês ciclovias com o tamanho de uma faixa de rodagem e aqui é que se percebe verdadeiramente a importância que dão a meios de deslocação alternativos aos veículos automóveis.

Por cá, fazem-se ciclovias sem sentido nenhum. Quando vim estudar para Aveiro já a BUGA (Bicicleta de Utilização Gratuita de Aveiro) estava em decadência e acho que nem mesmo com um novo programa BUGA 2 que estão aí a planear vai ter sucesso porque as infraestruturas continuam más e as obras novas que estão a fazer mantêm a mesma filosofia que é reservar 1m para a ciclovia (se tivermos sorte!) mas como é a berma da estrada é onde estão as tampas de escoamento das águas pluviais.

Aveiro tem condições óptimas para o incentivo do uso da bicicleta, é uma cidade pequena, plana e onde faz sol a maior parte do ano. Mas os nossos "governantes" não criam as condições para isso, portanto tudo nunca passará de um sonho. Sonho esse que eu tive quando fui à Holanda e vi que mesmo com chuva, vento e frio as pessoas se deslocavam de bicicleta. Se em Aveiro o tempo até é melhor, por que é que isto não acontece cá?
 
#96
Se em Aveiro o tempo até é melhor, por que é que isto não acontece cá?
Fácil, se 88% das deslocações são feitas de carro e os restantes 12% são por todos os outros meios de transporte, inclusive o andar a pé, comboios, expresso, autocarro, eléctrico, metro, taxi, etc e tal, para que é que se reserva mais de 1 m para cada lado, ou não, para passear de bicicleta e andar com o carrinho de bebé
Quem anda de carro está-se a cagar para os outros 12% de deslocações e se levarmos só em consideração que as deslocações de bicicleta que deve ser uns enormes 2% ou algo parecido, queremos ouvir o quê quando se gasta dinheiro para tirar espaço aos carros, espaço de estacionamento e ainda por cima não pagamos impostos e seguro, limitar a velocidade, etc
Já para não falar que a velocidade máxima nas ciclovias é de 30km hora e anda lá tanto passaroco perdido

Eu não sou contra as ciclovias, mas compreendo o que se vai fazendo contra a corrente e nem tudo é mal feito
 
#98
Este tema tem sido debatido aquim no forum especialmente pq que projecta as ciclovias o faz com um pensamento diferente do que a generalidade de nós temos e necessitamos, ou seja o projetista reune-se de egocentrismo e aqui vai disto, mas confesso que face ao desenho da generalidade das vias nao espero que facam melhor qdo pensam num universo reduzido. Eu sou contra as ciclovias ( excepto aquelas que são fechadas e exclusivas tipo Vouga ou afins), acho discriminatório e afasta-nos do grande questão, que é a partilha do espaço publico e a educação desde o berço, em 2018 mais de 1/3 dos acidentes mortais foram atropelamemtos!!, entao coloca-se grandes ao longo do passeios??e vvemos como macaquinhos??? , o que tentam fazer com estas pseudociclovias é aumentar o fosso e a descriminação na partilha da via e de um bem publico.
Tal como mencionado por mtos este dinheiro deveria ser usado na requalificação das vias, investindo na partilha segura da estrada, na educação com TV e escolas sinalizacao, etc.
Ai sim estaremos a evoluir e nao a criar barreiras discriminatórias e certamente as próximas geracoes terão uma oportunidade de viver melhor(sem retorica filosófica).
 
#99
Já eu não considero as ciclovias uma discriminação. Se eu quiser "treinar" vou para uma estrada pois a velocidade a que ando não é compatível com uma ciclovia. No entanto, para quem faz uma deslocação para ir para a escola, trabalho, ao pão, ou seja, ir de A para B, a ciclovia faz todo o sentido.
O que não faz sentido são algumas "ciclovias" onde é pintado o chão de cor vermelha com uma bicicleta branca e já está justificado o dinheiro dos fundos europeus e mais uns posts de Facebook a dizer obra feita.
Mais uma vez pegando nos exemplos lá de fora, para fomentar o uso da bicicleta e outros meios de transporte não poluentes seria necessário melhorar/criar ciclovias em condições, criando propositadamente mais dificuldades ao trânsito automóvel como semáforos, ruas de sentido único, estreitamentos de via,... Só assim se conseguiria mudar mentalidades.
Foi assim que os holandeses mudaram de mentalidade: para ir do ponto A ao ponto B numa cidade demoravam por exemplo 5 minutos de carro e reformulando a rede viária passou a ser uma viagem de 20 minutos, não sei se os tempo são esses mas é só para dar um exemplo. Ou seja, passou a ser mais vantajoso e seguro fazer essa viagem de bicicleta. Claro que não foi só isto, a crise dos combustíveis também teve influência, but you get the point.
Podem procurar esse vídeo no YouTube - qualquer coisa como "how the dutch got their cycling paths".
 

jpacheco

Moderador
Staff member
Este tema tem sido debatido aquim no forum especialmente pq que projecta as ciclovias o faz com um pensamento diferente do que a generalidade de nós temos e necessitamos, ou seja o projetista reune-se de egocentrismo e aqui vai disto, mas confesso que face ao desenho da generalidade das vias nao espero que facam melhor qdo pensam num universo reduzido. Eu sou contra as ciclovias ( excepto aquelas que são fechadas e exclusivas tipo Vouga ou afins), acho discriminatório e afasta-nos do grande questão, que é a partilha do espaço publico e a educação desde o berço, em 2018 mais de 1/3 dos acidentes mortais foram atropelamemtos!!, entao coloca-se grandes ao longo do passeios??e vvemos como macaquinhos??? , o que tentam fazer com estas pseudociclovias é aumentar o fosso e a descriminação na partilha da via e de um bem publico.
Tal como mencionado por mtos este dinheiro deveria ser usado na requalificação das vias, investindo na partilha segura da estrada, na educação com TV e escolas sinalizacao, etc.
Ai sim estaremos a evoluir e nao a criar barreiras discriminatórias e certamente as próximas geracoes terão uma oportunidade de viver melhor(sem retorica filosófica).
Concordo inteiramente, devias de ler o artigo que partilhei, o homem defende exactamente esse tipo de pensamento: http://www.crp.pt/docs/A45S122-145_Art_T2_7CRP_2013.pdf