Gravel: em busca da Aventura

TiagoLopes

Well-Known Member

jocarreira

Well-Known Member
Olha que no PNSAC já estive vai não vai para dar meia volta quando vi um bode com uns cornos um bocado grandes :D
Mas depois ele seguiu as cabras para longe do estradão e acabei por continuar.
 

pratoni

Well-Known Member
Pessoal do Gravel, tenham cuidado nessas estradas :p

Noticia:
https://cyclingtips.com/2022/02/bull-charges-gravel-riders-who-sort-of-charged-it-first/
"At least three riders were charged by a bull at a California gravel race called the Rock Cobbler over the weekend, thankfully resulting in few injuries and some spectacular video."
É óbvio que o touro ia fazer aquilo, principalmente no 1° video...

O que é que o gajo estava à espera?
 

bito94

Member
Boa tarde, ando a pensar em me desfazer da minha quer de estrada e comprar uma de gravel, a ideia é poder dar umas voltas em terra e quando quiser andar mais a serio na estrada ponho umas rodas finas... A minha questão é: aluminio ou carbono? Quais os pontos em ter em consideraçao? Ando muito virado para a scott speedster gravel 30.
 

Bruso

Well-Known Member
1 - tipo de gravel e que pneu pensas usar
2 - orçamento
3 - quadros compatíveis com o pneu pretendido
4 - disponibilidade

A relação carbono X alumínio é sempre complicada. Há quem valorize o quadro mais que a transmissão ou rodas ou vice versa. Tu é que tens de ver. Ao preço que os grupos estão hoje em dia quase que é mais barato fazer upgrade de alumínio para carbono do que de tiagra para ultegra o_O.
Vê o que consegues arranjar e depois mete aqui as opções dentro do teu orçamento e a malta mostra os pros e contras. Gravel não é a minha praia portanto não estou dentro do mercado.
 

SantosDaCasa

Well-Known Member
Boa tarde, ando a pensar em me desfazer da minha quer de estrada e comprar uma de gravel, a ideia é poder dar umas voltas em terra e quando quiser andar mais a serio na estrada ponho umas rodas finas... A minha questão é: aluminio ou carbono? Quais os pontos em ter em consideraçao? Ando muito virado para a scott speedster gravel 30.
Tendo em conta o que alguns atletas fizeram no último mundial UCI de gravel, eu não colocaria de parte comprar uma bicicleta de estrada com capacidade para pneus mais largos.
 

Jazz

Well-Known Member
De alumínio para carbono é mais uma questão de orçamento do que outra coisa. Um pouco menos de peso, também. Em princípio.

A minha é de carbono e uso pneus 650B de 47mm.

Mas faço trilhos, não é só estradas em terra batida. Aí nota-se bem a vantagem de usar uma geometria mais relaxada em relação à estrada.

Está atento à geometria da bicicleta, para é um aspecto fundamental.
 

Bruso

Well-Known Member
Tendo em conta o que alguns atletas fizeram no último mundial UCI de gravel, eu não colocaria de parte comprar uma bicicleta de estrada com capacidade para pneus mais largos.
Lá está, é por isso que é importante saber o tipo de gravel que vais fazer. Se forem só estradões de terra batida um bike de estrada recente que permite pneu 40 é mais que suficiente.
 

bito94

Member
Obrigado a todos pela ajuda, Sem duvida que ajudou, e a questao de mudar para uma de estrada com capacidade para usar pneus largos seria talvez a cereja no topo do bolo, ficar com uma bike boa para estrada e com capacidade de fazer uns estradoes e talvez alguns trilhos...
 

Jazz

Well-Known Member
OP, tens de ver o que queres.

Tens quadros de estrada, btt, gravel, ciclocross.

Em que zonas andas?
Muita estrada? Estradão? Paralelo? Terra? Trilhos? Há descidas? Há calhaus, raízes, lama, drops?

Vais andar por trilhos de btt, ainda que leves? Singles? Ou só vais andar em estradões de terra batida, com dificuldade zero?

Que tipo de geometria queres na bicicleta? Tipo corrida? Tipo btt? Ou intermédio?

Rodas, tens 2 tamanhos. Para as zonas onde eu ando, por exemplo, prefiro um pneu largo, uso de 47mm, roda 27,5. Para mim tem mais vantagens do que ter uma roda 29 (700) e um pneu mais fino. O diâmetro acaba por ser aproximadamente o mesmo, que é o que conta.

Se podes fazer estradões num quadro de estrada? Podes, claro. Talvez com uns pneus mais largos. Se te apetecer virar naquele single à direita, com umas raízes e uma descida um pouco mais técnica, aí já estás com azar.

Mas já desces isso na boa numa btt. Mas quando chegares ao alcatrão apanhas uma seca.

Uma bicicleta de gravel é um compromisso. Esquecendo as modas e os que dizem que é inútil só porque sim, tens de pensar com qual dos 4 tipos de quadro tiras mais prazer.

O ideal é ter uma de cada, mas isso pode não fazer sentido para muita gente, incluindo eu.


Na minha zona, ter uma Gravel que resiste a drops de meio metro, que passa por raízes, buracos, calhaus, mas que quando chega ao alcatrão rola a mais de 30, é o ideal. Faço kms e kms em paralelo e pavet mau de aldeia. Na de estrada era um suplício, evitava essas zonas. Com esta é muito melhor.

A desvantagem teórica é a rolar, porque vais mais direito, a bicicleta supostamente não é tão rápida, ou a transmissão não permite pedalar a mais 40, 45 km/h, por exemplo.



Concluindo, tendo só uma bicicleta, vais ter sempre de fazer compromissos, se quiseres andar em vários tipos de terreno. Só tu sabes onde queres andar com ela.


Podes pensar que se for para estradões, mais vale uma de estrada com pneus largos. Mas qual é a diferença entre essa bicla e uma de gravel com pneus mais finos? Geometria. E resistência do quadro.


Isto é como aqueles gráficos de círculo em que há zonas dos círculos que são comuns a vários.




Edit: já agora, o que os prós dizem não se escreve. São profissionais, escolhem a bicicleta consoante a prova. Pior, escolhem o avanço, transmissão, etc., consoante o dia. Vais fazer isso? Não me parece. Então esquece o que o VDP ou o WVA usaram. Não conta para nada.
 

Ziggy

Member
Bem, eu fui um dos que se inscreveu para o The Island Gravel Rally em São Miguel, que era de dia 28 a 31.10.

Inscrição feita em Junho, apenas a saber que seria 1ºdia 120km, 2º 80km e 3º 60km. Em Agosto recebe-se o racebook e vi logo que estava lixado com F. 2500m de acumulado no 1º dia, 2300 no 2º e 1800m no 3º.

Uma semana antes da prova recebemos um email a dizer que seria cancelada por falta de participantes. Recebemos o dinheiro da inscrição no inicio de esta semana, mas ainda assim foi chato.

Era uma prova em pares e o meu veio de Londres. Voos pagos, estadia paga, aluguer de carrinha paga etc não ia ficar a arder com esse dinheiro e então decidimos ir na mesma. Basicamente fizemos o 2º e 3º dia e foi um estouro brutal. O primeiro dia de 120km com 2500m de acumulado seria uma coisa de muita gente saltar fora ao segundo dia estou em crer.

Chegamos a ter inclinações superiores a 20%, de acordo com o Wahoo o máximo foi 22.4%, mas tudo o que era passar os 16% já era coisa que custava.

De todos os modos adorei, acho que aproveitei mais assim do que se tivesse feito a prova. Fazer as Cumeeiras ou a serra da Tronqueira foi qualquer coisa de fabuloso.

A organização não primou verdade seja dita, achoq ue houve muita falta de informação e divulgação. Vários site e foruns ingleses não faziam ideia e acho que mesmo aqui não vi nada, só mesmo no Instagram. Encontramos uns espanhois que estavam desolados e que disseram o mesmo, em Espanha apenas um forum com informação e nada mais. É pena...
 

moshinho

Well-Known Member
Bem, eu fui um dos que se inscreveu para o The Island Gravel Rally em São Miguel, que era de dia 28 a 31.10.

Inscrição feita em Junho, apenas a saber que seria 1ºdia 120km, 2º 80km e 3º 60km. Em Agosto recebe-se o racebook e vi logo que estava lixado com F. 2500m de acumulado no 1º dia, 2300 no 2º e 1800m no 3º.

Uma semana antes da prova recebemos um email a dizer que seria cancelada por falta de participantes. Recebemos o dinheiro da inscrição no inicio de esta semana, mas ainda assim foi chato.

Era uma prova em pares e o meu veio de Londres. Voos pagos, estadia paga, aluguer de carrinha paga etc não ia ficar a arder com esse dinheiro e então decidimos ir na mesma. Basicamente fizemos o 2º e 3º dia e foi um estouro brutal. O primeiro dia de 120km com 2500m de acumulado seria uma coisa de muita gente saltar fora ao segundo dia estou em crer.

Chegamos a ter inclinações superiores a 20%, de acordo com o Wahoo o máximo foi 22.4%, mas tudo o que era passar os 16% já era coisa que custava.

De todos os modos adorei, acho que aproveitei mais assim do que se tivesse feito a prova. Fazer as Cumeeiras ou a serra da Tronqueira foi qualquer coisa de fabuloso.

A organização não primou verdade seja dita, achoq ue houve muita falta de informação e divulgação. Vários site e foruns ingleses não faziam ideia e acho que mesmo aqui não vi nada, só mesmo no Instagram. Encontramos uns espanhois que estavam desolados e que disseram o mesmo, em Espanha apenas um forum com informação e nada mais. É pena...
Isso é voltarem a inscrever-se novamente...:confused:
 
Top