Bicicleta Van Rysel estrada EDR CF Disco Ultegra

Praxedes

Member
Pessoal, desde já o meu Obrigado pelos comentários, alguns deles bem informativos e úteis. E também anunciar que tenho novos desenvolvimentos na situação das velocidades médias mais baixas. Descobri, depois de ter partido a cabeça a matutar no assunto, que tenho a roda de trás travada (!!) O problema parece residir no cubo (ou o free-hub ou a cassete, isso não sei), porque já tirei a roda para fora, coloquei o veio passante e, em vazio, roda sem travamentos. Até fiz um video em que coloco as minhas duas bikes lado a lado com as respetivas rodas traseiras a rolar ao mesmo tempo. A da RC 30 para passados poucos segundos, a da specialized continua, e continua e continua. Pena eu ser um nabo aqui no forum e não saber postar vídeos :rolleyes::(. Vou reclamar a garantia na loja e logo se vê.
 

GuilhermeOliveira

Well-Known Member
E também anunciar que tenho novos desenvolvimentos na situação das velocidades médias mais baixas. Descobri, depois de ter partido a cabeça a matutar no assunto, que tenho a roda de trás travada (!!)
Acho que não é o suficiente para baixar as medias, de qualquer das formas isso até pode ser só afinação dos travões, desmontas a bomba e vês qual é a reação da roda, caso fique bem, montas e afinas a bomba no sitio certo
 

Praxedes

Member
Já procurei aqui no fórum, mas os posts sobre o assunto são algo antigos, por isso, sem abrir nenhuma thread nova, alguém conhece um bom bike fit aqui na zona do Algarve?...:)
 

Mendas

Well-Known Member
Já procurei aqui no fórum, mas os posts sobre o assunto são algo antigos, por isso, sem abrir nenhuma thread nova, alguém conhece um bom bike fit aqui na zona do Algarve?...:)
Boas,

Ricardo pereira performance, não é do Algarve mas vem cá várias vezes fazer fits
 

Praxedes

Member
Boas pessoal!
Só para dar conta das últimas evoluções da RC 30, algumas importantes. Importante, importante foi o bike-fit que já foi realizado. Alterações mais ou menos significativas nas regulações da bike e até nos sapatos (cleats, ângulo e posição). Para resumir, só o selim subiu mais de 2 cm (!!!). Após um mês da realização do referido, os resultados são além do esperado: dores nas costas desapareceram; formigueiro na mão direita diminuiu significativamente só aparecendo esporadicamente; Sensação de realizar esforço menor para a mesma velocidade (mais notória logo no início, na fase de adaptação); posição e pedalada mais confortáveis no geral. Sim senhor, valeu bem a pena.

A nível estético a bichinha mereceu algumas alterações (ver o vídeo) donde se destacam os novos lettering e as novas fitas da Prólogo. Aproveitei que a Scott deu garantia das fitas originais (um dos lados deteriorou-se prematuramente) e cabe dizer que têm uma pega muito sólida e um fantástico efeito anti-derrapante.

E agora um pequeno desabafo. Nunca vos aconteceu trocarem de bike e ficarem com a sensação que perderam performance? Pois é o que sinto. E os números no Strava comprovam, esta bike é mais lenta que a Van Rysel. As diferenças são muito subtis, dependendo da extensão dos segmentos. O facto é que volvidos 6 meses, a velhinha ainda continua a deter muitos e muitos RP em muitos segmentos. Eu reconheço que, sem querer, acabamos por ficar mais ou menos reféns dos números, embora o foco principal esteja sempre no prazer que retiramos das pedaladas. Porém os números estão lá para serem analisados e quando há retrocessos de performance fica-se preocupado: será que é mim? Será da bike?
Talvez as rodas de carbono (na agenda das futuras aquisições) venham trazer nova vida à RC 30...
Até estou à espera que me chegue a casa a banda cardíaca que comprei recentemente, só para ter mais uma forma de controlo da pedalada para além da perceção subjetiva de esforço. E com a idade a avançar, é bom saber como anda a máquina (coração).
Abraços :)
 

SantosDaCasa

Well-Known Member
Boas pessoal!
Só para dar conta das últimas evoluções da RC 30, algumas importantes. Importante, importante foi o bike-fit que já foi realizado. Alterações mais ou menos significativas nas regulações da bike e até nos sapatos (cleats, ângulo e posição). Para resumir, só o selim subiu mais de 2 cm (!!!). Após um mês da realização do referido, os resultados são além do esperado: dores nas costas desapareceram; formigueiro na mão direita diminuiu significativamente só aparecendo esporadicamente; Sensação de realizar esforço menor para a mesma velocidade (mais notória logo no início, na fase de adaptação); posição e pedalada mais confortáveis no geral. Sim senhor, valeu bem a pena.

A nível estético a bichinha mereceu algumas alterações (ver o vídeo) donde se destacam os novos lettering e as novas fitas da Prólogo. Aproveitei que a Scott deu garantia das fitas originais (um dos lados deteriorou-se prematuramente) e cabe dizer que têm uma pega muito sólida e um fantástico efeito anti-derrapante.

E agora um pequeno desabafo. Nunca vos aconteceu trocarem de bike e ficarem com a sensação que perderam performance? Pois é o que sinto. E os números no Strava comprovam, esta bike é mais lenta que a Van Rysel. As diferenças são muito subtis, dependendo da extensão dos segmentos. O facto é que volvidos 6 meses, a velhinha ainda continua a deter muitos e muitos RP em muitos segmentos. Eu reconheço que, sem querer, acabamos por ficar mais ou menos reféns dos números, embora o foco principal esteja sempre no prazer que retiramos das pedaladas. Porém os números estão lá para serem analisados e quando há retrocessos de performance fica-se preocupado: será que é mim? Será da bike?
Talvez as rodas de carbono (na agenda das futuras aquisições) venham trazer nova vida à RC 30...
Até estou à espera que me chegue a casa a banda cardíaca que comprei recentemente, só para ter mais uma forma de controlo da pedalada para além da perceção subjetiva de esforço. E com a idade a avançar, é bom saber como anda a máquina (coração).
Abraços :)
A diferença de performance é subjectiva porque depende de muitos factores, não apenas da bicicleta.
Penso que um powermeter seria mais útil para aferir que quando metes a mesma força é a bicicleta que não desenvolve o mesmo.
 

malho

Active Member
Boas pessoal!
Só para dar conta das últimas evoluções da RC 30, algumas importantes. Importante, importante foi o bike-fit que já foi realizado. Alterações mais ou menos significativas nas regulações da bike e até nos sapatos (cleats, ângulo e posição). Para resumir, só o selim subiu mais de 2 cm (!!!). Após um mês da realização do referido, os resultados são além do esperado: dores nas costas desapareceram; formigueiro na mão direita diminuiu significativamente só aparecendo esporadicamente; Sensação de realizar esforço menor para a mesma velocidade (mais notória logo no início, na fase de adaptação); posição e pedalada mais confortáveis no geral. Sim senhor, valeu bem a pena.

A nível estético a bichinha mereceu algumas alterações (ver o vídeo) donde se destacam os novos lettering e as novas fitas da Prólogo. Aproveitei que a Scott deu garantia das fitas originais (um dos lados deteriorou-se prematuramente) e cabe dizer que têm uma pega muito sólida e um fantástico efeito anti-derrapante.

E agora um pequeno desabafo. Nunca vos aconteceu trocarem de bike e ficarem com a sensação que perderam performance? Pois é o que sinto. E os números no Strava comprovam, esta bike é mais lenta que a Van Rysel. As diferenças são muito subtis, dependendo da extensão dos segmentos. O facto é que volvidos 6 meses, a velhinha ainda continua a deter muitos e muitos RP em muitos segmentos. Eu reconheço que, sem querer, acabamos por ficar mais ou menos reféns dos números, embora o foco principal esteja sempre no prazer que retiramos das pedaladas. Porém os números estão lá para serem analisados e quando há retrocessos de performance fica-se preocupado: será que é mim? Será da bike?
Talvez as rodas de carbono (na agenda das futuras aquisições) venham trazer nova vida à RC 30...
Até estou à espera que me chegue a casa a banda cardíaca que comprei recentemente, só para ter mais uma forma de controlo da pedalada para além da perceção subjetiva de esforço. E com a idade a avançar, é bom saber como anda a máquina (coração).
Abraços :)
A diferença de performance penso que tambem tenha muito a ver a maneira que andas durante as voltas agora, eu tenho muitos RP ainda feitos com uma scott speedster 30 de 2010 que era me muito pequena em termos de tamanho de quadro e desde 2018 ando numa cube attain GTC Race e tenho muitos RP que nao consigo fazer, apesar de ter tido 2 anos em que andei muito mais do que andava quando era com a Scott.
 

Praxedes

Member
A diferença de performance é subjectiva porque depende de muitos factores, não apenas da bicicleta.
Penso que um powermeter seria mais útil para aferir que quando metes a mesma força é a bicicleta que não desenvolve o mesmo.
Concordo, companheiro. No entanto eu não quero a banda cardíaca para fazer essa aferição, mas sim para saber a quantas ando em termos de esforço. O powermeter é importante mas é um dispositivo caro e, por enquanto, não está na minha lista
 

Praxedes

Member
A diferença de performance penso que tambem tenha muito a ver a maneira que andas durante as voltas agora, eu tenho muitos RP ainda feitos com uma scott speedster 30 de 2010 que era me muito pequena em termos de tamanho de quadro e desde 2018 ando numa cube attain GTC Race e tenho muitos RP que nao consigo fazer, apesar de ter tido 2 anos em que andei muito mais do que andava quando era com a Scott.
E já sabes porque isso acontece? Não te faz confusão?...
 

Mafioso

Well-Known Member
Boas pessoal!
Só para dar conta das últimas evoluções da RC 30, algumas importantes. Importante, importante foi o bike-fit que já foi realizado. Alterações mais ou menos significativas nas regulações da bike e até nos sapatos (cleats, ângulo e posição). Para resumir, só o selim subiu mais de 2 cm (!!!). Após um mês da realização do referido, os resultados são além do esperado: dores nas costas desapareceram; formigueiro na mão direita diminuiu significativamente só aparecendo esporadicamente; Sensação de realizar esforço menor para a mesma velocidade (mais notória logo no início, na fase de adaptação); posição e pedalada mais confortáveis no geral. Sim senhor, valeu bem a pena.

A nível estético a bichinha mereceu algumas alterações (ver o vídeo) donde se destacam os novos lettering e as novas fitas da Prólogo. Aproveitei que a Scott deu garantia das fitas originais (um dos lados deteriorou-se prematuramente) e cabe dizer que têm uma pega muito sólida e um fantástico efeito anti-derrapante.

E agora um pequeno desabafo. Nunca vos aconteceu trocarem de bike e ficarem com a sensação que perderam performance? Pois é o que sinto. E os números no Strava comprovam, esta bike é mais lenta que a Van Rysel. As diferenças são muito subtis, dependendo da extensão dos segmentos. O facto é que volvidos 6 meses, a velhinha ainda continua a deter muitos e muitos RP em muitos segmentos. Eu reconheço que, sem querer, acabamos por ficar mais ou menos reféns dos números, embora o foco principal esteja sempre no prazer que retiramos das pedaladas. Porém os números estão lá para serem analisados e quando há retrocessos de performance fica-se preocupado: será que é mim? Será da bike?
Talvez as rodas de carbono (na agenda das futuras aquisições) venham trazer nova vida à RC 30...
Até estou à espera que me chegue a casa a banda cardíaca que comprei recentemente, só para ter mais uma forma de controlo da pedalada para além da perceção subjetiva de esforço. E com a idade a avançar, é bom saber como anda a máquina (coração).
Abraços :)
Eu não mudei de bike mas a performance tambem desceu muito, a culpa foram das rabanadas, do pão de ló e tambem da maldita chuva que não me deixava andar.
Isto para dizer que duvido que isso seja da tua troca de bicicleta
 

Praxedes

Member
Eu não mudei de bike mas a performance tambem desceu muito, a culpa foram das rabanadas, do pão de ló e tambem da maldita chuva que não me deixava andar.
Isto para dizer que duvido que isso seja da tua troca de bicicleta
Ahaha...ok, mas as rabanadas e o pão de ló enquadram-se num período curto e aqui estamos a falar em 6 meses de treinos. Além disso, neste período perdi mais de 1 kg de peso, por isso...
 

Trizade

Well-Known Member
Ahaha...ok, mas as rabanadas e o pão de ló enquadram-se num período curto e aqui estamos a falar em 6 meses de treinos. Além disso, neste período perdi mais de 1 kg de peso, por isso...
E o vento de frente? Tiveste isso em consideração? Se calhar num dia apanhaste mais vento que no outro? Isso tem uma grande influência.
 
Top