Rolo Direct Drive

SaintRider

Well-Known Member
O nivel de dificuldade não quer dizer que se suba mais depressa no zwift, o que interessa são os watts (w/kg) que estás a fazer seja a 7% de inclinação quer a 15% de inclinação watts são watts, se forem os mesmos watts vais a mesma velocidade independentemente da dificuldade que esteja definida.
Sim, isso é um dado assumido... aliás, não é por acaso se surgiu a métrica NP e é sobre ela que tudo gira no que load diz respeito, não sobre a média.

O que eu acho é que , para além de estares a misturar um pouco a cadência neste tema, estás a chamar à discussão a precepção do esforço. Contudo, os watts são um dado absoluto, não está sujeito a diferentes interpretações, podes é ter diferentes percepções do esforço consoante a inclinação do terreno. Mas isso são coisas diferentes....
Estou a chamar porque é muito mais "facil" e "eficaz" a longo prazo para atenuação de fadiga pedalar em cadencia do que em força. Ao aumentares a dificuldade vais ter obrigatoriamente na maioria dos gradientes altos de pedalar mais em força, mesmo para fazeres potencias baixas. Quer queiramos quer não isto tem impacto, uma taxa no esforço (passa a ser um esforço mais anaerobio que aerobio). E o esforço maior tipicamente devido a uma dificuldade maior (Não é por acaso que o Slider se chama dificuldade, e não é por acaso que a maioria dos comuns mortais acha mais dificil fazer series do que fazer uma potencia constante (dai o meu exemplo anterior). E a cadencia entra porque pura e simplesmente nao vais conseguir manter cadencias altas se tiveres a dificuldade no maximo no Zwift quando os gradientes apertam. Pronto se calhar se fores o Froome (Pré-Vuelta 2020) ...consegues :D. Por isso é que acho que Watts são WAtts são watts sim....a potencia dissipada é a mesma, mas o esforço e a taxa efeito que recai no teu corpo são completamente diferentes.

Quando colocas isto, por exemplo, num formato corrida, quem estiver a 100% e a fazer series e recuperaçoes, ou yo-yos atras do pelotao, vai quebrar garantidamente mais cedo do que quem nao estiver, devido ao maior desgaste, independentemente dos Watts serem Watts (e no final terem gasto os mesmos).
 

NULL

Moderador
Staff member
Estou a chamar porque é muito mais "facil" e "eficaz" a longo prazo para atenuação de fadiga pedalar em cadencia do que em força. Ao aumentares a dificuldade vais ter obrigatoriamente na maioria dos gradientes altos de pedalar mais em força, mesmo para fazeres potencias baixas. Quer queiramos quer não isto tem impacto, uma taxa no esforço (passa a ser um esforço mais anaerobio que aerobio). E o esforço maior tipicamente devido a uma dificuldade maior (Não é por acaso que o Slider se chama dificuldade, e não é por acaso que a maioria dos comuns mortais acha mais dificil fazer series do que fazer uma potencia constante (dai o meu exemplo anterior). E a cadencia entra porque pura e simplesmente nao vais conseguir manter cadencias altas se tiveres a dificuldade no maximo no Zwift quando os gradientes apertam. Pronto se calhar se fores o Froome (Pré-Vuelta 2020) ...consegues :D. Por isso é que acho que Watts são WAtts são watts sim....a potencia dissipada é a mesma, mas o esforço e a taxa efeito que recai no teu corpo são completamente diferentes.

Quando colocas isto, por exemplo, num formato corrida, quem estiver a 100% e a fazer series e recuperaçoes, ou yo-yos atras do pelotao, vai quebrar garantidamente mais cedo do que quem nao estiver, devido ao maior desgaste, independentemente dos Watts serem Watts (e no final terem gasto os mesmos).
Confesso que não percebi muito bem o que dizes mas também não faz mal...

Quanto ao exemplo que dás no final, não fizeram os mesmos watts, ou melhor, até podem ter feito os mesmos watts de média mas em watts de NP foi muito diferente. Não foi por acaso que se inventou o Np...
 

NULL

Moderador
Staff member
Está aí um Pogacar em potencia
Não necessariamente... tem mais a ver com o fenótipo de cada um. O Poga tem características diferentes.

Eu aí só me fico pelos 6w/kg
6.0w/kg já é um número de respeito nos 5´... por isso deves ter uma ideia do que é fazer mais 1.0w/kg. Aliás, em Portugal, e, provavelmente o maior puncher do pelotão dos últimos anos, faz 6,8w/kg... isto para teres uma ideia do potencial do miúdo.

Moras nas caldas da rainha? hehehehe
O das Caldas também tem uma potência anaeróbica bastante interessante mas parece-me que a sua maior característica são os esforços longos ao limiar.
 
Porque não temos historial nesse tipo de esforços e, possivelmente por isso, nunca nos dedicamos a "construir" sprinter´s.

De qualquer forma acredito que da nova geração de ciclistas portugueses possa surgir um bom sprinter.
se me lembro correctamente o Nelson oliveira comecou como sprinter. Ou estou a fazer confusao?