Mais um ciclista morto em acidente

Os telemóveis não são uma praga. Se os miúdos estão sempre de cara no ecrã é, porque alguém deixa que isso aconteça. Muitas vezes até incentivam...
Mais ou menos... Peer-pressure: os miudos são muito susceptíveis a este fenómeno. É verdade que existem pais que nada lutam contra esta "dependência" mas aqueles que lutam (falo por mim) sofrem horrores a tentar explicar e a encontra alternativas que sejam tão estimulantes quanto um tablet ou um smartphone.

E eles acabam sempre por ter contacto com essas tecnologias. Quanto mais não seja através dos seus pares.

Este tema dos telemoveis (smartphones) e crianças/adolescentes é muito complicado de gerir.

Quanto ao tema das aulas de bicicleta na escola... Epá, concordo. Nos dias que correm em que uma grande parte dos miudos (se não mesmo a maioria) apenas tem os pais em casa (sem ajuda de avós), e normalmente a partir das 19h onde a essa hora é necessário preparar jantares, dar banhos, acompanhar trabalhos de casa, levar os putos ao treino, ou à natação, ou... não é fácil ir para a rua e ensinar os miúdos a co-habitar a estrada (ou passeios) com outros intervenientes.

No meu tempo (pareço um velho... e na realidade quase que o sou, já com quase 40) saía da escola às 16h. Ia para casa lanchar (tinha a avó em casa a tempo inteiro), fazia trabalhos e às 17h já estava na rua com os outros miudos... na estrada, sem transito (havia muuuuuuuito menos automóveis na rua do que aqueles que há hoje!).
 
Que os miudos de hoje necessitem de aulas para aprender a andar de bicicleta?
O intrutor diz que em 25 alunos da turma do 4o ano 80% não sabe andar de bicicleta.

Quando digo que nem tudo é mau, refiro-me ao facto de este assunto hoje estar a ser discutido na Assembleia da República.
Não havendo grandes expectativas, o facto de aparentar ser unanime a extensão do seguro escolar para as deslocações para e de escola dos miúdos é uma coisa positiva.
É um avanço de milimetros, mas ao menos na direção certa.
 
Nota Prévia:
Não é nada contra ninguém em especial mas sim contra o facto da agenda noticiosa ser gerida por "Alguem" (leia-se pessoa coletiva) que domina 98% da comunicação social levando a que a opinião publica mais desatenta seja dirigida pelos caminhos que lhes dão mais jeito criando uma corrente qt mais poderosa mais difícil será travada e a maioria das vezes uma mentira que repetida mtas vezes........ (é uma visão mt negativa? sim eu sei).

O intrutor diz que em 25 alunos da turma do 4o ano 80% não sabe andar de bicicleta.
.
Divulgação paga de actividade que vai fazer na sociedade de hoje com pouco tempo para algumas coisas importantes e mt para outras supérfulas, alguns pais com poder económico abram os cordões à bolsa (pois os seus filhos não podem ficar atrás dos outros e se o outro tem o meu tb tem de ter), é uma forma de algumas empresas trabalharem chegam às escolas vendem a 8ª maravilha do mundo aos miudos que chegam a casa e querem, querem querem pq o "Manelinho tb tem", Existe tb nos grupos de estudo em que psicólogos vendem que vão melhorar o rendimento da criança e vai ser mt bom a longo prazo, mas espera lá que assinas já um contrato de 3 anos que vás ou não vás pagas sempre e se não tiver um número mínimo nós rentabilizamos e juntamos todos noutro local se não te der jeito temos pena mas pagas pois já está definido nas letras pequenas.


Quando digo que nem tudo é mau, refiro-me ao facto de este assunto hoje estar a ser discutido na Assembleia da República.
.
Discutido na AR e Bem Divulgado na Comunicação Social o que é preciso é ter sempre alguma coisa boa, má ou inconsequente com o nosso nome para todos verem que produzimos mt e que se somos só um devíamos ser mt mais pois assim ainda teríamos mt mais assessores (Algumas coisas até foram boas).

3º e 4º
Não havendo grandes expectativas, o facto de aparentar ser unanime a extensão do seguro escolar para as deslocações para e de escola dos .

Quem escreveu não conhece e quem divulgou o assunto ao jornalista vendeu-lhe a melhor coisa do mundo (mas sem sumo nenhum lá dentro).
Seguro Escolar - No ensino Público não existe. o que existe é no final do ano civil uma transferência de verbas do Ministério da Educação para o da Saúde quem sofre o acidente tem de ser consultado no SNS (Serviço Nacional de Saúde) e se não existir hipótese de tratamento em tempo útil assim pode ir ao privado...mas, só tem plafond de tratamento do valor que seria gasto no público,
Ainda no Ensino Publico os Cursos Profissionais são obrigados a fazer um seguro com uma seguradora e aí a maioria das coberturas tb vale pouco,


As idas para a escola de bicicletas já são cobertas agora tem é aquelas letrinhas pequeninas e vai continuar a ter (temos que ter noção que são crianças/miúdos/adolescentes não sabem e não cumprem as regras do transito e outras), ou seja, o que é abrangido é o caminho mais perto/directo, se a criança faz o desvio na rua "y" para ir ao quiosque das gomas, ou, o adolescente passou no skatepark, ou foi ter com a amiguinha que vinha do outro lado todas estas coisas invalidam a situação e miúdos é sempre complicado é a natureza deles e não terem noção do que implicam as suas atitudes inocentes e normais.

Desculpem se incomodei e fui mt longo, mas, às vezes por desconhecermos a situação acreditamos que alguém está a descobrir a pólvora, qd na realidade se está é a aproveitar na nossa boa vontade e credulidade.

Mtas e boas pedaladas e todos (de preferência passando mt e bom tempo de qualidade familiar com os vossos Filhos e as vossas caras metades)
 

pratoni

Well-Known Member
...En este caso, el 55% de los conductores no ciclistas y el 30% de los conductores ciclistas no calificaron a los ciclistas como 100% (completamente) humanos.
Nem alguns condutores ciclistas se consideram humanos? :eek::eek::eek::eek::eek::eek::eek::eek::eek::eek::eek:
 

joseruivo

Well-Known Member
ou de quem o encomendou ;)
Tal e qual! Desde que soube que a indústria tabaqueira conseguiu há umas décadas apresentar estudos cientificos a provar que o tabaco não faz mal a niguém...
É como os estudos a dizer que esta ou aquela comida faz bem ou mal. Antes as sardinhas eram terriveis para o colesterol, agora já são fantásticas porque têm omega 3. Uns provam que comer carne e peixe é essencial, outros que isso é a causa de uma série de problemas...
 

gfrmartins

Well-Known Member
Nem alguns condutores ciclistas se consideram humanos? :eek::eek::eek::eek::eek::eek::eek::eek::eek::eek::eek:
Acho que não é esse o sentido.

O sentido é os condutores não olharem para os ciclistas como Humanos, não os Vêem como pessoas

E não tenho duvidas nenhumas disso, achas que se os vissem como humanos, como pessoas, como familiares, pais, mães, etc tinham alguns dos comportamentos que têm? Razias, bater neles de propósito, faze-los cair? etc?
 
Acho que não é esse o sentido.

O sentido é os condutores não olharem para os ciclistas como Humanos, não os Vêem como pessoas

E não tenho duvidas nenhumas disso, achas que se os vissem como humanos, como pessoas, como familiares, pais, mães, etc tinham alguns dos comportamentos que têm? Razias, bater neles de propósito, faze-los cair? etc?
já por vezes tive de desmontar e manda-los literalmente para o ca**lho: ou porque querem passar numa curva, ou porque dizem que tenho de ter seguro, ou porque eles proprios são uns merdas, ou porque (sobretudo taxistas em lx) fazem razias e vou atras deles.
mind you guys: ando sempre com cuidado, respeito e como uma arvore de natal/neons de redlight district. por varias razões: 1) é o correcto e urbano a fazer; 2) também se pode perder a carta.

continuo a achar: ele há gente de merda. ponto. e são esses que tem de ser educados e ou erradicados das estradas.
 

pratoni

Well-Known Member
Acho que não é esse o sentido.

O sentido é os condutores não olharem para os ciclistas como Humanos, não os Vêem como pessoas

E não tenho duvidas nenhumas disso, achas que se os vissem como humanos, como pessoas, como familiares, pais, mães, etc tinham alguns dos comportamentos que têm? Razias, bater neles de propósito, faze-los cair? etc?
Sim, é óbvia essa conclusão, mas a minha questão é que o estudo revelou que 30% dos condutores que também são ciclistas os vêm da mesma forma.

Ou seja, nem o facto de andarem de bicicleta os faz ter empatia por outras pessoas que andam de bicicleta.

Aliás, segundo o estudo, a expressão a usar para criar maior empatia até será mesmo essa: "pessoas que andam de bicicleta".