Foto ciclo turismo pela Beira Interior e... por aí

elchocollat

Well-Known Member
#61
Xiii isso mesmo, que falha, Belgais! Que por sinal tambem tem uma subidinha fixolas, ah e se puderem visitem, é espetacular!
(devia estar a pensar na Série da RTP :D)
Nunca lá fui, só passei mesmo no cruzamento no topo da Monheca...

E já agora:
Acho que essa série era gravada numa aldeia perto do Bombarral (as cenas exteriores, pelo menos). Carvalhal, se não me falha a memória. Mas nunca averiguei tal coisa.
Andamos todos enganados :eek:
 
#63
Desconhecia as curvas da Monheca até que as fiz a descer na semana passada e fiquei com uma vontade muito grande de numa próxima estadia pela Raia de as fazer a subir.

Outra volta que quero fazer é uma "volta Ibérica" começar em São Miguel D'Acha, atravessar a fronteira perto de Penamacor até Valverde Del Fresco (fui lá muita vez em criança com os meus pais) e voltar pelas Termas de Monfortinho, será uma volta de mais de 130Km, mas era uma "coisa" que gostava de fazer durante as férias pelo mês de Agosto.

Esta volta https://connect.garmin.com/modern/course/35957369
 

ricasmetx

Well-Known Member
#64
Desconhecia as curvas da Monheca até que as fiz a descer na semana passada e fiquei com uma vontade muito grande de numa próxima estadia pela Raia de as fazer a subir.


Outra volta que quero fazer é uma "volta Ibérica" começar em São Miguel D'Acha, atravessar a fronteira perto de Penamacor até Valverde Del Fresco (fui lá muita vez em criança com os meus pais) e voltar pelas Termas de Monfortinho, será uma volta de mais de 130Km, mas era uma "coisa" que gostava de fazer durante as férias pelo mês de Agosto.

Esta volta https://connect.garmin.com/modern/course/35957369
Tens mesmo de fazer a Monheca, é uma subida fixe, a vista não é nada de jeito pois estas num vale encaixado, mas o alcatrão é bom e com uma berma que te proporciona condições seguras para subir.

É uma volta 5 estrelas, mas em Agosto? Aqui na zona? 130km?
Força e bebe muita água!

Se puderes explora também a fronteira em Salvaterra do Extremo, é muito giro.
 
#65
Tens mesmo de fazer a Monheca, é uma subida fixe, a vista não é nada de jeito pois estas num vale encaixado, mas o alcatrão é bom e com uma berma que te proporciona condições seguras para subir.

É uma volta 5 estrelas, mas em Agosto? Aqui na zona? 130km?
Força e bebe muita água!

Se puderes explora também a fronteira em Salvaterra do Extremo, é muito giro.
O inicio da descida é lindissimo com a paisagem brutal.
Sim em Agosto que é quando posso e será para sair por volta das 6 e pouco para apanhar o menos possível de calor :D
 

ricasmetx

Well-Known Member
#66
O inicio da descida é lindissimo com a paisagem brutal.
Sim em Agosto que é quando posso e será para sair por volta das 6 e pouco para apanhar o menos possível de calor :D
Toda esta zona da raia é lindissima, sao planícies imensas e com uns segredos bem giros pelo meio.,
Hoje estão 40ºC e normalmente as 6h ja bate nos 30ºC.
Eu como me dou muito mal com o calor (e por causa dos sinais devo evitar o sol a partir das 10h30) nesta fase do verão pedalo menos e estou sempre à espreita de um fds mais fresco para fazer essas voltas maiores ehehe
 
#67
Eu também me dou mal com o calor, mas se tiver oportunidade vou fazer, claro que em dias de 40º não vou arriscar sair para voltas tão grandes, mesmo quando tive por aí a semana passada só saí um dia de manha de resto foram sempre ao final da tarde das minhas voltas.
Já em Lisboa tenho saído sempre antes das 7h para pedalar.
 

ricasmetx

Well-Known Member
#68
Passados mais de 3 meses, de muito trabalho, ocupação pessoal, calor de verão e assumindo a queda nas areias movediças da preguiça, voltei ao pedal.

Nada melhor do que regressar indo a um sitio novo (para mim) e quase nunca antes pedalado.

Fui até Cedillo, é um município raiano de Espanha na província de Cáceres e que está separada do Monte Fidalgo (Vila Velha de Ródão - VVR) pelo Rio Tejo.
Dá o nome a uma barragem que marca a entrada do Rio Tejo no território português e define a fronteira PT/ES. É um projeto interessante pois está em territorio PT mas é ES... enfim...

O importante é que o municipio de VVR alcatroou recentemente uma estrada, até entao em terra batida, que vai até ao Tejo.
Quando vi a noticia fiquei com as orelhas no ar e... siga lá!

Em péssima forma, so tenho feito uns dias de ginasio, e umas voltas ao fim do dia uma ou outra de 40km ao fds, decidi lá ir, rumo ao empeno, nao conhecia a estrada mas conhecia a geografia, é um belo "buraco" mas que se lixe, sem pressoes, so viajar e passear por sitios novos.

Fui pelo antigo IP2 em direção aos Cebolais onde desci (e aproveitei bem, sabia que tinha que a fazer a subir para cá) até Alfrivida.
Se andarem por estes lados, no restaurante "O Rato" comem uma boa miga de peixe do rio ;)

Seguindo pela EM 533 em direção aos Perais virei para o Monte Fidalgo. Pela primeira vez, de bicicleta fui até esta localidade e apercebi-me que aquele pedaço de estrada (2km) era a subir (4% de inclinação ) :D

Foi quando virei para a barragem e comecei a descer, alcatrão espetaular, um tapete de alta qualidade e la vou eu e pensei, bem vou levar uma malha!
É cerca de 1,3km mas com 2 curvas super perigosas, a descer e sem rails (daqui a uns tempos vai haver la uns acidentes feios) e deparei-me com ele... o Tejo



Mais uma curva à direita (super perigosa com desnivel de -15% e sem rails) e ali estava à frente, do lado de lá Espanha, o cais dos barcos de recreio que vao até ao cais Portugues de Lentiscais, e em cima a gigante Subestação de Cedillo, nao é incrivél? (vejam o tamanho do barco com o declive)



E agora o "barquito"



E finalmente a barragem



Desfrutando da paisagem foi tempo de refletir: esperemos que esta estrada dinamize o cais deste lado, ou pelo menos o acesso às autoridades para protegerem mais e melhor o rio. Do "lado de lá" há barcos, viagens organizadas, autocarros, barragem, subestaçao, e o rio... que é de ambos... do lado de cá, há uma estrada inaugurada em 2020...

Bem era hora de dar cabo das pernas e deixar de pensar demasiado... a subida é curta e tem partes de 15/20% mas faz-se, custou mais, e custa sempre a subida de Alfrivida para os Cebolais de Cima, um clássico para treinar as pernas por estas bandas

https://www.strava.com/activities/4118597060/segments/2745256467891942228

Chegando a casa, alongar, banho de água fria e dar uma malha ao sofá.

Espero que a vontade deste Domingo se transforme em rotina e de vagar vamos regressando com regularidade e com forma.

Obrigado.
 
#69
Mais uma zona a explorar. Esta semana saiu a informação de que vão fazer uma ponte entre Nisa e Cedillo. Não sei se pensam acompanhar do lado Norte para o distrito de CB mas abria umas possibilidades porreiras.

Este fim de semana prolongado, se tudo me correr bem voltarei às estradas da Beira. Pode ser que nos encontremos por aí!!
 

ricasmetx

Well-Known Member
#70
R 3.JAN.03 O Monte é Gordo!
Viva
Apos algum tempo afastado do pedal e de atualizar este tópico estou de regresso.
Voltinhas curtas e pelo quintal, que o frio é de rachar

https://www.strava.com/activities/4636489281

Pois bem, este Domingo foi dia de ir para a "zona do serrote" como lhe chamo.
Para lá do rio Ocreza para aquelas geografias é sempre sobe e desce, nao ha planos e para recuperar forma, nada melhor do que passar o Ocreza pra lá, direção Sarzedas e para cá, direção Castelo Branco via Taberna Seca.

Nestas descidas o gelo acumulado era imenso e as cautelas tinham de ser máximas para nao ir ao tapete mas as paisagens são sempre naturais, praticamente intactas e deslumbrantes:
host pictures online free


A vila de Sarzedas distingue-se por estar instalada no centro de um Pinhal e não foi ao acaso. Foi mandada povoar por ser uma zona tremendamente desabitada e foram aproveitando para desenvolver os recursos naturais tais como a madeira de pinho, zona conhecida como o "Pinhal Interior". As fachadas das casas sao marcantes tal como comprova a Trek
photos upload


A viagem continou até à aldeia de Monte Gordo virando para um denso e fantástico pinhal.
O ar puro, os cheiros a pinheiro a resina e os constantes animais selvagens que se vêm e ouvem é um prazer que faz esquecer "o calor" mnas pernas.


Passagem por Santo André das Tojeiras com a sua iconica igreja.
O culto de Santo André nestas paragens perde-se nos tempos que acabou por dar o nome à Freguesia. Quanto ao topónimo Tojeiras está provavelmente relacionado com a existência de tojos no seu termo que são plantas em arbustos espinhosos, de flores douradas, que vegetam principalmente nos sítios áridos.


Daqui foi virar em direcção a Castelo Branco e enfrentar a subida de Ocreza até Taberna Seca, curtinha mas exigente seja qual for a forma.
https://www.strava.com/activities/4636489281/segments/2785904017097545178

Agora é semana de trabalho e esperar que não chova no prox fds.

Boas pedaladas malta.
 

ricasmetx

Well-Known Member
#71
R 1.FEV.05 Almaceda

Ora Viva,
Antes de mais, espero que Vos e as Vossas famílias se estejam a safar a este covid de porcaria. Protejam-se que isto não está pra brincadeiras.

Tal como quase todos, Sábado foi dia de sair à rua após estas semanas loucas de chuva. E qual a melhor forma para o fazer? Estrada "nunca antes pedalada!"

Decidi ir até Almaceda, uma aldeia a Norte de Castelo Branco e que tem muita historia.
É uma zona muito isolada, com muitas aldeias pequeninas, onde Almaceda é a capital da Freguesia, a atividade primordial é a exploração florestal, Pinheiro, e que tem sofrido muito com o despovoamento sobretudo para o estrangeiro.


Acham que aqui chega o fucking covid?!
chase deposit atm near me

Foi fundada ainda antes dos romanos e tem muitas evidências históricas dos mouros, como ainda é visível pelos canais e levadas para rega que construíram.
Mas os tempos mudam as necessidades e contruíram, e bem, esta praia fluvial, que no verao é uma delicia.



A estrada M 525 -1 é fabulosa, é um generoso carrossel que nos leva até São Vicente da Beira, sem pendetes abusadas (7/8%), com pinhal de perder a vista e onde apanhei um cheiro a primavera, sabem? Cheirava a malmequeres!
Deu e bem para transpirar mas o desfrutar destas paisagens infinitas, dos cheiros e do som da agua a correr, foi como um gel :D
Aqui, passados uns 45km ja levava D900+ que para as minhas pernas.... é dureza.

Chegado a São Vicente da Beira, foi tempo de encher de agua fresquinha e pura, vinda diretamente da Gardunha, e adivinhem quem se pos toda vaidosa?


Depois, foi a rolar até casa de forma a espalhar o ácido láctico resultante de tanto confinar eheheh

Boas pedaladas e ate já!
https://www.strava.com/activities/4780796617
 

ricasmetx

Well-Known Member
#79
R 4.FEV.08 Fatela é o vento de frente

Ora viva.
Hoje foi dia de estradas nunca antes pedaladas.
Com o objetivo de ganhar horas em cima da fina e com o intuito de ir conhecer umas estraditas novas, hoje foi dia de ir até à Fatela, perto do Fundão, bem no centro da Cova da Beira.
Para isso envolvia ir de Castelo Branco até Alpedrinha, na N18, uma estrada que não gosto muito, por ter muito transito, por ter retas longas e por ser sujeita ao vento, mas há males necessários e este era um deles.



Ja em Alpedrinha é sempre tempo de desfrutar, quer da paisagem, quer da envolvência da vila, chamamos-lhe aqui a "Sintra da Beira"
Alpedrinha, esta a cerca de 500mt de altitude, bem no centro da serra da Gardunha, pertence por isto à rota de Aldeias de Montanha. Tem bastantes monumentos, sendo os mais conhecidos o Palácio do Picadeiro e o Teatro Clube de Alpedrinha. Tem uma festa muito gira, "Os Chocalhos", algures no pós Covid é must visit!
https://viagens.sapo.pt/viajar/viajar-portugal/artigos/alpedrinha-e-um-segredo-bem-guardado

create image url


Apos Alpedrinha, o rumo foi Alcongosta.
Esta zona está proliferada de cerejeiras que em breve estaremos a comer ehehe Daqui a cerca de 1 mes ja é possivel ve-las em flor, espero nessa altura ir lá e fazer uma "reportagem".

Aqui a passar em cima dos túneis da Gardunha e da A23, com a Covilha e a Serra da Estrela lá ao fundo!


Igreja Matriz de Alcongosta com a sua torre sineira
upload image

Após a vertiginosa descida de Alcongosta par ao Fundão foi tempo de comer o lanche com esta vista deslumbrante sob o Seminário do Fundão. É um edifício majestoso, do inicio do seculo XX


Barriga cheia e siga rumar à Fatela, sim esse nome giro pra uma aldeia ehehe
Mural alusivo ao dia da criança


E eis quando apanhei uma "parede" com cerca de 10% e uns 300mt que fez mossa.
As voltas por "estradas nunca antes pedaladas" têm bastante fascínio mas tambem têm estas surpresas. Apos a volta e ao ver no strava o segmento chama-se "Muro da Fatela" e é bem alusivo ehehe
upload a picture
https://www.strava.com/activities/4907096291/

Ja com o desgaste o percurso iria encaminhar-se até ao Alcaide atraves da EM 345 até entroncar novamente na N18.
Mas e esta EN 345.

Foi paixao imediata.
Pendente de subida confortavel, 4/5%, com arvores, pouco transito, ar puro e paisagem deslubrante.... é isto que alimenta a dor de pernas :D


Olhem pra isto


Que sorte tenho de morar por aqui


A partir daqui, com a alma cheia, vou rolar 35km até casa, a gramar o vento de frente, foi ganir a bem ganir mas com a alma cheia.

Um abraço a todos e boas pedaladas.

https://www.strava.com/activities/4907096291

Ah, e furei o confinamento... uooops :rolleyes:
 

ricasmetx

Well-Known Member
#80
R 3.MAR.11 Rota das Capelinhas iv: Sra do Almortão
Ontem foi dia de prevaricar, tinha que sair do concelho.
Consciente do risco de contagio, foi imperativo diminui-lo, ou seja, nao ha paragens para cafes e a utilização de estradinhas secundárias é crucial, sempre que possivel.

Rumo à Raia, Idanha-a-Nova, mais precisamente era o percurso.
Como forma de motivar, um desafio giro, fazer a Rota das Capelinhas aqui pela região.
Ontem foi dia de ir visitar a Senhora do Almortão, que é bastante mediática aqui pela Beira Baixa.

Siga lá entao em direção à Raia, com as suas características retas desafogas


Em Idanha para diminuir o risco nem deu aso a paragens, descida da Senhora da Graça e "escalar" a subida até ao "Campo Nacional de Atividades Escutistas" Aqui tem uma ligeira rampa mas atinge os 15% só que com estas paisagens depois...


Foi tempo entao de contemplar e lanchar na ermida de homenagem à Senhora do Almortão.
Um local bem simpatico e muito bem cuidado, diga-se.






A partir daqui foi rolar até ao Ladoeiro, e depois a inevitável subida da Monheca, local, que independentemente da temperatura ambiente faz sempre calor :D
https://www.strava.com/activities/5026171824/segments/2811259086453739496

A volta é muito gira e tranquila, mas o forte vento fez com que fosse bem mais dura, a dor de pernas ao chegar a casa foi notória :cool:

Boas pedaladas malta!
https://www.strava.com/activities/5026171824