Estado da secção de ciclismo da Decathlon em Guimarães

#21
O que me dizeram na Decathlon de Braga que tudo o que chega á loja é logo escoado para as encomendas online que limpam tudo.

Por isso as lojas estarem vazias...
 
#26
Obrigado :)

Aquela alínea que limita a comparticipação a bicicletas urbanas/citadinas parece-me ambígua. Destina-se apenas aos modelos de bicicletas urbanas? Ou se comprar, por exemplo, uma bicicleta de Gravel para andar na cidade (e não só...) também tenho direito ao apoio?
 

jocarreira

Well-Known Member
#27
Não existe bicicleta de gravel para andar na cidade, assim como também não existe bicicleta de BTT para andar na cidade. Acho que sabes o que é uma bicicleta citadina/urbana e quem aprova as candidaturas também deve saber.
 

Nuno

Well-Known Member
#29
Não existe bicicleta de gravel para andar na cidade, assim como também não existe bicicleta de BTT para andar na cidade. Acho que sabes o que é uma bicicleta citadina/urbana e quem aprova as candidaturas também deve saber.
O que refere o documento do link é que "deverá ser apresentada uma declaração do vendedor, na fatura ou em documento anexo, em como o veículo é novo e se destina a uso citadino/urbano ..."
Ate pode ser uma F10 ou uma Madone, posso perfeitamente dar-lhes uso urbano, e tambem por 100€, acho que ninguem se vai dar ao trabalho de verificar o que quer que seja.
 

jocarreira

Well-Known Member
#30
/modo ingénuo on
Quero acreditar que as 16 candidaturas excluídas (e as 19 em vias de o serem) estejam nesse estado porque exista alguém neste processo que perceba alguma coisa de bicicletas.
/modo ingénuo off
 
#31
A minha dúvida era essa. O incentivo diz respeito ao TIPO de bicicleta ou ao USO que se dá à bicicleta?
Provavelmente, o que o legislador tinha em mente era o TIPO, mas a forma como o texto é apresentado levanta dúvidas.
Na verdade, conheço pessoas que fazem diariamente percuros entre cidades diferentes na sua rotina casa-trabalho. Nenhuma dessas pessoas usa uma bicicleta urbana e é uma pena que estes ciclistas fiquem fora do incentivo.
 

Nuno

Well-Known Member
#32
Mas entao nao posso andar na cidade com uma aero ou ir p o escritorio de BTT?
Tanto que posso que já o fiz.
Se o objetivo é por as pessoas a andar de bicicleta na cidade, nao é o tipo de bicicleta que vai fazer com que o façam. Diria que é mais a vontade de o fazer e a atitude de cada um perante a vida.
Ando mais eu de bike na cidade com os modelos referidos, do que a unica pessoa que conheco que comprou uma bike designada de urbana. Esse desde que a comprou deve ter andado 3 vezes para ir ao cafe ao fim da rua e nao deve ser para isso que todos nos andamos a dar incentivos, atraves dos impostos que pagamos.
 

jocarreira

Well-Known Member
#33
1.4 - Bicicletas citadinas convencionais:
(...)
1.4.2 - Por «bicicleta nova» entende-se bicicleta convencional, sem assistência elétrica, destinada a uso citadino, não incluindo bicicletas destinadas a uso desportivo, nomeadamente para circuitos de cross, montanha, ou possuidoras de suspensão integral, nem trotinetes ou velocípedes de outro tipo.


Mas depois mais à frente diz que o vendedor é que deve declarar o uso da bicicleta:

5.3.4 - No caso das bicicletas deverá ser apresentada uma declaração do vendedor, na fatura ou em documento anexo, em como o veículo é novo e se destina a uso citadino ou de carga.

Nem que seja por 5 tostões, o português arranja maneira :)

Bom, se existirem incentivos para máquinas agrícolas também se arranja uma declaração da Ferrari a atestar o uso do bólide.
 
#34
1.4 - Bicicletas citadinas convencionais:
Nem que seja por 5 tostões, o português arranja maneira :)

Bom, se existirem incentivos para máquinas agrícolas também se arranja uma declaração da Ferrari a atestar o uso do bólide.
O pessoal é que pensa que é só por causa dos políticos que isto não vai para a frente

O problema do país é os portugueses, até porque no meio disto os políticos são uma minoria

O pessoal não sabe o que é uma citadina??!!, também não sabem bem o que é uma desportiva, ou estradista, em fim, assim é difícil sair do buraco
 
#35
O pessoal é que pensa que é só por causa dos políticos que isto não vai para a frente

O problema do país é os portugueses, até porque no meio disto os políticos são uma minoria

O pessoal não sabe o que é uma citadina??!!, também não sabem bem o que é uma desportiva, ou estradista, em fim, assim é difícil sair do buraco
Um amigo meu, há tempos, dizia que para mudar isto não era começar pelos grandes que roubam milhões - era pelos pequenos que se armam em chicos-espertos sempre que podem.
E é bem verdade. Quem dá o exemplo às novas gerações são os pais que vão ao mecânico e têm um desconto porque não há fatura, que compram uma F10 com ajudas para comprar bicicletas citadinas.... e muito mais.
 

EL PISTOLERO

Well-Known Member
#36
Na minha opinião está tudo dito aqui:

"não incluindo bicicletas destinadas a uso desportivo, nomeadamente para circuitos de cross, montanha, ou possuidoras de suspensão integral, nem trotinetes ou velocípedes de outro tipo."

Esses exemplos dados pelo legislador são meramente indicativos ora não fosse utilizada a expressão "nomedamente"...
 

Carolina

Well-Known Member
#37
Um amigo meu, há tempos, dizia que para mudar isto não era começar pelos grandes que roubam milhões - era pelos pequenos que se armam em chicos-espertos sempre que podem.
E é bem verdade. Quem dá o exemplo às novas gerações são os pais que vão ao mecânico e têm um desconto porque não há fatura, que compram uma F10 com ajudas para comprar bicicletas citadinas.... e muito mais.
Já para não falar que quem tem dinheiro para uma F10 devia era ter vergonha na cara, porque de ajuda não precisa de certeza.
 

Sword

Well-Known Member
#38
Na minha opinião está tudo dito aqui:

"não incluindo bicicletas destinadas a uso desportivo, nomeadamente para circuitos de cross, montanha, ou possuidoras de suspensão integral, nem trotinetes ou velocípedes de outro tipo."

Esses exemplos dados pelo legislador são meramente indicativos ora não fosse utilizada a expressão "nomedamente"...
Quando usa o advérbio de modo nomeadamente, significa que está a nomear. Assim, o legislador não está meramente a indicar, mas sim a colocar na letra da lei aquilo que é considerado para os efeitos da mesma. Portanto são considerados os que nomeia e mais nenhuns outros.

Agora o que acho é que de facto o que aqui acontece é o espírito do legislador seja excluir todas as bicicletas que não são citadinas. Agora poderia ter sido redigido o texto de forma mais precisa/enquadrada com os termos da prática do ciclismo/cicloturismo/mercado/categoria de bicicletas. De facto Tipo é uma coisa e Uso é outra.

Um tractor é por exemplo um tipo de máquina X e o uso pode ser vário. Eu posso ter um tractor para lavrar o campo e posso ter um tractor com cisterna para transportar água dentro de uma aldeia. Se existir algum fundo para financiar a compra de tratores e quer excluir os usados para transportar água terá que referenciar-se ao Uso e não ao tipo. Aqui nas bicicletas terá de ser igual. Referenciar o tipo de bicicleta a ser excluída e não o uso. Porque lá está pode-ser comprar qualquer uma que não esteja excluída pelo nomeadamente e a declaração dizer que é para o uso citadino.
 

EL PISTOLERO

Well-Known Member
#39
Quando usa o advérbio de modo nomeadamente, significa que está a nomear. Assim, o legislador não está meramente a indicar, mas sim a colocar na letra da lei aquilo que é considerado para os efeitos da mesma. Portanto são considerados os que nomeia e mais nenhuns outros.

Agora o que acho é que de facto o que aqui acontece é o espírito do legislador seja excluir todas as bicicletas que não são citadinas. Agora poderia ter sido redigido o texto de forma mais precisa/enquadrada com os termos da prática do ciclismo/cicloturismo/mercado/categoria de bicicletas. De facto Tipo é uma coisa e Uso é outra.

Um tractor é por exemplo um tipo de máquina X e o uso pode ser vário. Eu posso ter um tractor para lavrar o campo e posso ter um tractor com cisterna para transportar água dentro de uma aldeia. Se existir algum fundo para financiar a compra de tratores e quer excluir os usados para transportar água terá que referenciar-se ao Uso e não ao tipo. Aqui nas bicicletas terá de ser igual. Referenciar o tipo de bicicleta a ser excluída e não o uso.
Não estou de acordo!
De facto o legislador está nomear como disse e bem, mas a título exemplificativo e não a título definitivo. Ora, não acrescentasse o legislador no final da letra da lei..."ou velocípedes de outro tipo..."
de facto o legislador fala em "uso" ..."não incluindo bicicletas destinadas a uso desportivo". mas a lei nao vale apenas pela sua "letra" ( Vale também pelo seu "espírito")o que significa que não serão incluídas bicicletas não recomendadas ao uso "citadino", ou se quiser, recomendadas a outro tipo de práticas desportivas

Por essa ordem de ideias imaginemos que o estado financia bicicletas destinadas ao uso no BTT... vinham agora aqui os TUGAS inventar e dizer que iam fazer BTT com uma bicicleta de estrada...:rolleyes::rolleyes: Faz algum sentido isto?! para mim não... Não sendo eu jurista nem nada que se pareça, a interpretação da lei para mim é clara.
 

Sword

Well-Known Member
#40
Não estou de acordo!
De facto o legislador está nomear como disse e bem, mas a título exemplificativo e não a título definitivo. Ora, não acrescentasse o legislador no final da letra da lei..."ou velocípedes de outro tipo..."
de facto o legislador fala em "uso" ..."não incluindo bicicletas destinadas a uso desportivo". mas a lei nao vale apenas pela sua "letra" ( Vale também pelo seu "espírito")o que significa que não serão incluídas bicicletas não recomendadas ao uso "citadino", ou se quiser, recomendadas a outro tipo de práticas desportivas

Por essa ordem de ideias imaginemos que o estado financia bicicletas destinadas ao uso no BTT... vinham agora aqui os TUGAS inventar e dizer que iam fazer BTT com uma bicicleta de estrada...:rolleyes::rolleyes: Faz algum sentido isto?! para mim não... Não sendo eu jurista nem nada que se pareça, a interpretação da lei para mim é clara.
Quando usado o nomeadamente está em termos jurídicos a nomear de forma expressa e a título definitivo salvo futuras alterações aquilo que é considerado para os efeitos da lei, decreto, etc... e não de forma exemplificativa. Quando é dito velocípedes de outro tipo é precisamente para isso, ou seja, aglomerar todas as demais coisas na exclusão da comparticipação.

E quanto ao resto concordamos. Foi o que eu disse aquilo que aqui acontece é que o espírito do legislador seja excluir todas as bicicletas que não sejam citadinas, mas podia ter sido melhor redigido. Misturar o TIPO e mais adiante a declaração de USO não foi o melhor.

Outro exemplo era o mesmo que existir uma comparticipação para todos os carros do TIPO elétrico para USO citadino e que excluísse os carros desportivos.
Ora, uma empresa que trabalhe porta a porta dentro da cidade de Lisboa comprará um citadino para o seu trabalho.
É do TIPO elétrico e o USO citadino, mas é se comprar um Zoe por exemplo...se comprar um Tesla a candidatura à comparticipação terá que ser excluída porque é desportivo...mas se o vendedor passasse uma declaração em como o USO seria citadino à letra da lei é válido.

Agora quero acreditar que como disseram quem vá avaliar isto vá fazer as coisas dentro do espírito do legislador. Ainda assim...não vão faltar vendedores a faturar uma coisa e a vender outra..é o que acho.