Dúvida cassete para rolo

Faceless

New Member
Bom dia,

Sou completamente ignorante em bicicletas, ciclismo, etc.
Queria iniciar-me no Zwift e comprei um rolo Elite Direto X e uma bibicleta em 2ª mão (Berg Fuego 7.2). Tem uma cassete de 8 V atrás (aho que é assim que se diz) e 3 V à frente.

Preciso de comprar uma cassete para colocar no rolo. Posso comprar uma de 10V? ou não vai "funcionar" com esta bicicleta?

Só não queria fazer asneira uma vez que quero colocar isto a funcionar rapidamente

Obrigado
 

Pires

Well-Known Member
Bom dia,

Sou completamente ignorante em bicicletas, ciclismo, etc.
Queria iniciar-me no Zwift e comprei um rolo Elite Direto X e uma bibicleta em 2ª mão (Berg Fuego 7.2). Tem uma cassete de 8 V atrás (aho que é assim que se diz) e 3 V à frente.

Preciso de comprar uma cassete para colocar no rolo. Posso comprar uma de 10V? ou não vai "funcionar" com esta bicicleta?

Só não queria fazer asneira uma vez que quero colocar isto a funcionar rapidamente

Obrigado
Retirei esta informação do site da probikeshop.

"Compatível com os desviadores de caixa comprida;
- Compatível com as cassetes Shimano/Sram 9/10/11 velocidades e com as cassetes Campagnolo 9/10/11 velocidades (com adaptador não incluído para Campagnolo)"

Só fala em 9v, mas eu tenho ideia que 8, 9 e 10v usam o mesmo cepo.

De qualquer das formas, se o teu esticador é de 8V, compra uma cassete 8V, ou então retira a cassete que vem com a bicicleta e coloca-a no rolo (tens de acertar depois com espaçadores)
 

CarlosSilva

Member
Boas pessoal.
A minha dúvida é bastante básica, por isso não quis estar a criar um novo post.
Tenho uns rolos mesmo de gama baixa, comprei na Decathlon. Permitem criar "subidas" com 6 graus de dificuldade diferentes. Funcionam muito bem, não me queixo.
A questão é que eu uso muito os rolos (vivo nos Açores e o tempo está ruim muitas vezes).
A minha dúvida é a seguinte: até que ponto é que uns rolos melhores fazem a diferença no treino ? Será que uns rolos de melhor qualidade simulam montanha a sério ? (podem dizer-me, por exemplo, qual a percentagem de inclinação que uns bons rolos fazem).
A outra dúvida tem a ver com estas plataformas de que tanto se fala agora, que tipo de rolos é necessário para as usar.
Obrigado.
 

jppina

Well-Known Member
Boas pessoal.
A minha dúvida é bastante básica, por isso não quis estar a criar um novo post.
Tenho uns rolos mesmo de gama baixa, comprei na Decathlon. Permitem criar "subidas" com 6 graus de dificuldade diferentes. Funcionam muito bem, não me queixo.
A questão é que eu uso muito os rolos (vivo nos Açores e o tempo está ruim muitas vezes).
A minha dúvida é a seguinte: até que ponto é que uns rolos melhores fazem a diferença no treino ? Será que uns rolos de melhor qualidade simulam montanha a sério ? (podem dizer-me, por exemplo, qual a percentagem de inclinação que uns bons rolos fazem).
A outra dúvida tem a ver com estas plataformas de que tanto se fala agora, que tipo de rolos é necessário para as usar.
Obrigado.

Uns rolos melhores do que o que tens não vão fazer diferença (quase) nenhuma no teu treino, o que podem é sim mudar radicalmente a tua experiência de treino. Para isso tens de ter um rolo interativo (não smart, que há smart que não são interativos...).

Pelo que percebo tens um rolo básico com ajuste de resistência em 6 níveis no guiador. Não sei que percentagem de montanha esse tipo de rolo simula, mas já tive um e lembro-me que na resistência mais forte aquilo era bruto de se puxar... um rolo de melhor qualidade, como tu dizes, um interativo, digo eu, pode simular desde os 6% de inclinação máxima, até 25% nos topo de gama. Tudo depende do modelo. Claro que quanto melhor, mais caro... Os rolos interativos de entrada de gama, Tacx Vortex, Elite Tuo, rondam os 300€ e funcionam como o teu, pelo atrito do pneu no rolo. Depois tens os chamados direct drive, em que retiras a roda traseira, o próprio rolo tem uma cassete e colocas lá a bicicleta. Há o Tacx Flux, Wahoo Kickr Core, Elite Suito, etc... os valores praticamente duplicam ou mais em relação aos anteriores.

Estes rolos interativos vão mudar a tua experiÊncia de treino porquê? Porque emparelhados com software específico vão permitir simular as pendentes da estrada. No Zwift, RGT, etc..., tens percurso em que o rolo vai mudar automaticamente a resistência para simular a inclinação que tens na estrada, conferindo realismo ao treino que fizeres. Em relação a treinar em si, através do modo ERG que estes rolos têm, permitem fazer treinos específicos com muita qualidade, por independentemente da cadÊncia a que pedalares, o rolo vai obrigar-te a fazer o esforço em Watts programado.

O que é preciso para usar estes programas/plataformas de que tanto se fala (Zwift, RGT, ETC...), nada de especial, na verdade até o teu rolo dá, desde que tenhas um sensor de velocidade, só não vais ter o realismo que um rolo interativo te vai dar.
 

Carolina

Well-Known Member
Eu também tenho um TT simples. O meu nem dá para alterar os níveis de dificuldade, simplesmente vai ficando mais difícil quanto maior a velocidade. As mudanças da bicicleta em conjunto com o powermeter chegam e sobram para treinar. Se não quiseres gastar num powermeter, podes sempre usar a frequência cardíaca.

A melhorar forma de melhorar o treino é conseguires medir exatamente o que estás a fazer e poderes usar essa informação para treinar de forma eficiente.
 

CarlosSilva

Member
Uns rolos melhores do que o que tens não vão fazer diferença (quase) nenhuma no teu treino, o que podem é sim mudar radicalmente a tua experiência de treino. Para isso tens de ter um rolo interativo (não smart, que há smart que não são interativos...).

Pelo que percebo tens um rolo básico com ajuste de resistência em 6 níveis no guiador. Não sei que percentagem de montanha esse tipo de rolo simula, mas já tive um e lembro-me que na resistência mais forte aquilo era bruto de se puxar... um rolo de melhor qualidade, como tu dizes, um interativo, digo eu, pode simular desde os 6% de inclinação máxima, até 25% nos topo de gama. Tudo depende do modelo. Claro que quanto melhor, mais caro... Os rolos interativos de entrada de gama, Tacx Vortex, Elite Tuo, rondam os 300€ e funcionam como o teu, pelo atrito do pneu no rolo. Depois tens os chamados direct drive, em que retiras a roda traseira, o próprio rolo tem uma cassete e colocas lá a bicicleta. Há o Tacx Flux, Wahoo Kickr Core, Elite Suito, etc... os valores praticamente duplicam ou mais em relação aos anteriores.

Estes rolos interativos vão mudar a tua experiÊncia de treino porquê? Porque emparelhados com software específico vão permitir simular as pendentes da estrada. No Zwift, RGT, etc..., tens percurso em que o rolo vai mudar automaticamente a resistência para simular a inclinação que tens na estrada, conferindo realismo ao treino que fizeres. Em relação a treinar em si, através do modo ERG que estes rolos têm, permitem fazer treinos específicos com muita qualidade, por independentemente da cadÊncia a que pedalares, o rolo vai obrigar-te a fazer o esforço em Watts programado.

O que é preciso para usar estes programas/plataformas de que tanto se fala (Zwift, RGT, ETC...), nada de especial, na verdade até o teu rolo dá, desde que tenhas um sensor de velocidade, só não vais ter o realismo que um rolo interativo te vai dar.
Muito obrigado pela sua resposta, muito completa e precisa. Era mesmo o que eu queria saber.
Como eu me considero um atleta de alta manutenção (lol) para já ficava satisfeito em saber que tipo de sensor de velocidade se aplica (eu tenho o velocímetro - básico - emparelhado com a roda de trás) e como é que se conecta depois às ditas plataformas, se é através do computador, box da MEO ou outra.
Os meus rolos devem simular uns 3 a 4 % de inclinação, digo isto porque consigo fazer as subidas mais duras apenas com 2 dentes de carreto mais leve do que o que uso em "terreno plano". Faz-me confusão que o rolo consiga emular os 7% por atrito, porque imagino logo o pneu a patinar no rolo...
 

CarlosSilva

Member
Eu também tenho um TT simples. O meu nem dá para alterar os níveis de dificuldade, simplesmente vai ficando mais difícil quanto maior a velocidade. As mudanças da bicicleta em conjunto com o powermeter chegam e sobram para treinar. Se não quiseres gastar num powermeter, podes sempre usar a frequência cardíaca.

A melhorar forma de melhorar o treino é conseguires medir exatamente o que estás a fazer e poderes usar essa informação para treinar de forma eficiente.
Eu ainda sou da velha escola dos anos 80 em que nem medidores de frequência cardíaca havia (só no Hospital, eh eh). A malta treinava regendo-se pelos andamentos, lembro-me que no inverno tirávamos as mudanças e era 42x20 até dezembro, fosse roda livre ou carreto preso...
Há um pormenor que não mencionei, eu optei por montar uma transmissão com desmultiplicações muito leves (o máximo é 36x11) o que na rua é mais que suficiente mas nos rolos pode eventualmente ser "curto".
 

jppina

Well-Known Member
Muito obrigado pela sua resposta, muito completa e precisa. Era mesmo o que eu queria saber.
Como eu me considero um atleta de alta manutenção (lol) para já ficava satisfeito em saber que tipo de sensor de velocidade se aplica (eu tenho o velocímetro - básico - emparelhado com a roda de trás) e como é que se conecta depois às ditas plataformas, se é através do computador, box da MEO ou outra.
Os meus rolos devem simular uns 3 a 4 % de inclinação, digo isto porque consigo fazer as subidas mais duras apenas com 2 dentes de carreto mais leve do que o que uso em "terreno plano". Faz-me confusão que o rolo consiga emular os 7% por atrito, porque imagino logo o pneu a patinar no rolo...
O sensor de velocidade tem de ser um com o protocolo ANT+ ou Bluetooth, sendo que a maior parte dos mais modernos usam os 2 protocolos. Há da Garmin, Wahoo, Bryton, etc... normalmente são emparelhados com o GPS que se usa na bicicleta, há quem os emparelhe com aplicações e use o telemóvel, pelo que percebo não terás GPS, apenas aquilo a que chamávamos antigamente conta-km.


A conexão à dita plataforma é feita precisamente pelo protocolo ANT+ ou Bluetooth, vai depender do dispositivo usado para o programa. Pode se usar um PC, aí a ligação é feita por Bluetooth ao sensor de velocidade, ou por ANT+ mas aí já é preciso ter uma pen ANT+ ligada ao PC para ele reconhecer o sinal. Pode usar-se um tablet, e funciona igual ao pc. Pode usar-se uma Apple TV (box), aí creio que não dá o ANT+, mas não tenho a certeza. Até se pode usar um simples telemóvel, sendo que há modelos que para além do normal Bluetooth, têm também ANT+ embutido.

Na prática, qualquer que seja o dispositivo usado, entra-se na aplicação e conecta-se ao sensor de velocidade, e depois é pedalar e ver o nosso boneco a andar no percurso que estivermos a fazer, com uma estimativa dos Watts que se está a debitar e que irá fazer com que o boneco ande...
 

CarlosSilva

Member
O sensor de velocidade tem de ser um com o protocolo ANT+ ou Bluetooth, sendo que a maior parte dos mais modernos usam os 2 protocolos. Há da Garmin, Wahoo, Bryton, etc... normalmente são emparelhados com o GPS que se usa na bicicleta, há quem os emparelhe com aplicações e use o telemóvel, pelo que percebo não terás GPS, apenas aquilo a que chamávamos antigamente conta-km.


A conexão à dita plataforma é feita precisamente pelo protocolo ANT+ ou Bluetooth, vai depender do dispositivo usado para o programa. Pode se usar um PC, aí a ligação é feita por Bluetooth ao sensor de velocidade, ou por ANT+ mas aí já é preciso ter uma pen ANT+ ligada ao PC para ele reconhecer o sinal. Pode usar-se um tablet, e funciona igual ao pc. Pode usar-se uma Apple TV (box), aí creio que não dá o ANT+, mas não tenho a certeza. Até se pode usar um simples telemóvel, sendo que há modelos que para além do normal Bluetooth, têm também ANT+ embutido.

Na prática, qualquer que seja o dispositivo usado, entra-se na aplicação e conecta-se ao sensor de velocidade, e depois é pedalar e ver o nosso boneco a andar no percurso que estivermos a fazer, com uma estimativa dos Watts que se está a debitar e que irá fazer com que o boneco ande...
Espetáculo. Agora já tenho qualquer coisa para começar a pesquisar.
Eu tenho um Garmin Forerunner 935 que uso para registar os meus treino de bicicleta, corridas e caminhadas. Uso-o sintonizado com o Strava, mas tudo através do PC. Evito usar o telemóvel porque além de não ver muito bem, o meu tlm é fraquito. Pelo que percebi este relógio não vai ser de grande ajuda... Nem sequer consigo que ele comunique com o PC sem ter que o ligar por cabo.
 

jpacheco

Well-Known Member
Nada como ver um video a explicar:

Neste caso é o zwift mas outros softwares serão terao necessidades identicas.

Se fazes muito rolo e queres entrar no mundo virtual um bom traineer direct drive vai dar-te uma experiência mais rica.

Ve os preços.. tem aprecido bons rolos direct drive nestas promos a pouco mais de 350 euros. E com 500 euros compras zwift hib e vem ja com cassete.
 

CarlosSilva

Member
Nada como ver um video a explicar:

Neste caso é o zwift mas outros softwares serão terao necessidades identicas.

Se fazes muito rolo e queres entrar no mundo virtual um bom traineer direct drive vai dar-te uma experiência mais rica.

Ve os preços.. tem aprecido bons rolos direct drive nestas promos a pouco mais de 350 euros. E com 500 euros compras zwift hib e vem ja com cassete.
Vou ver o vídeo, desde já obrigado. Para já, um investimento desse montante está fora de questão, tenho prioridades e uma delas é livrar-me do quadro de aço e passar para um de alumínio.
Mas foi importante saber que posso ligar os meus rolos ao PC por um ANT+, já andei a ver preços. Acho que aquilo lê a cadência de pedalada e não as rodas, segundo percebi ?
 

jpacheco

Well-Known Member
Vou ver o vídeo, desde já obrigado. Para já, um investimento desse montante está fora de questão, tenho prioridades e uma delas é livrar-me do quadro de aço e passar para um de alumínio.
Mas foi importante saber que posso ligar os meus rolos ao PC por um ANT+, já andei a ver preços. Acho que aquilo lê a cadência de pedalada e não as rodas, segundo percebi ?
Tens de ter sensor de velocidade e de cadência na pedaleira para enviar essa informação para o PC. No pc tens que ter uma pen ant+ para receber o sinal. Se ps sensores tiverem Bluetooth poderás usar esse protocol, mas o normal é os sensores enviarem em ant+. Os mais recentes ja enviam nos dois.

Nas configuracoes do zwift tens que indicar o modelo do teu rolo e eles dizem depois qual a resistência que deves usar no zwift. eles simulam +- a velocidade que boneco vai andar no jogo tu só tens qur pedalar e meter mais mudanças e dar ao chinelo para andar mais rápido:)
 

CarlosSilva

Member
Voltando ao assunto dos velocímetros, mas agora é para a minha outra bicicleta: velocímetros baratos mas que tenham o fio suficientemente comprido para ligar na roda de trás ?
Preciso de um velocímetro para trabalhar nos rolos (basta que meça a velocidade), portanto o cabo tem que chegar à roda de trás.
Não quero nada Wifi. Tive uns da Sigma, sem fios, tive de os vender, papavam-me 2 pilhas por mês, mesmo que não estivesse a usar a bike (era uma renda de 10 €).
 

jppina

Well-Known Member
Voltando ao assunto dos velocímetros, mas agora é para a minha outra bicicleta: velocímetros baratos mas que tenham o fio suficientemente comprido para ligar na roda de trás ?
Preciso de um velocímetro para trabalhar nos rolos (basta que meça a velocidade), portanto o cabo tem que chegar à roda de trás.
Não quero nada Wifi. Tive uns da Sigma, sem fios, tive de os vender, papavam-me 2 pilhas por mês, mesmo que não estivesse a usar a bike (era uma renda de 10 €).
Se é só para medir a velocidade acho que não precisas de velocímetro, basta comprar um sensor de velocidade (ant+ e Bluetooth) e emparelhar com qualquer aplicação do telemóvel (parto do princípio que tens um telemóvel com Bluetooth...)

Consegues isso barato no aliexpress, se não quiseres esperar tanto manda-me uma MP, tenho um amigo que comprou recentemente um GPS Bryton que vinha com sensor de velocidade e não o está a usar, de certeza que o vende...
 
Top