1st Tour de Yorkshire (2.1)

undernardo

Active Member
#1







Não costumo abrir muitos tópicos sobre corridas mas decidi abrir este porque a Startlist é bastante interessante:
- Wiggins corre pela primeira vez na sua equipa e encontra logo uma formação da Sky que impõe algum respeito (Swift, Nordhaug, Puccio);
- Marcel Kittel corre pela primeira vez desde Qatar. Já lá vão quase três meses. Alguma expectativa para ver o que pode fazer (ou não fazer);
- Greg van Avermaet, Moreno Hofland, Barry Markus, Matteo Pelucchi, Gerald Ciolek, Julien Simon, etc..
- Transmissão Eurosport2
- Quedas lol

Nada mau para uma primeira edição. As etapas parecem bastante acidentadas, com chuva e vento (parece-me) ao género de uma boa clássica.

Que acham?
 

undernardo

Active Member
#4
Muitas vezes criticamos o facto das corridas serem demasiado monótonas, previsíveis e que os ciclistas deixam sempre a decisão das mesmas para os últimos quilómetros. Não tinha expectativas nenhumas para esta prova, até por se tratar da primeira edição, mas a startlist deixou-me curioso. Após esta primeira etapa devo dizer que me surpreendeu pela positiva (pelo menos até aos 26 km para o final).

Percurso bastante bem desenhado com uma boa dose de sobe e desce a fazer lembrar as clássicas do norte de França e clássicas da Flandres. Penso que tenha contribuído também para este desfecho o facto de haver poucas equipas do World Tour o que fez com que a corrida fosse menos equilibrada, no que diz respeito ao controlo das fugas, e mais aberta em termos de ataques.

De destacar um numero significativo de ciclistas de topo nesta primeira edição; a quantidade de pessoas a apoiar nas estradas também foi notável.

Sem dúvida uma corrida que vai acabar por ganhar nome nos próximos anos fruto da imprevisibilidade e das dificuldades que apresenta. Só é pena calhar na mesma altura do Tour de Romandie. A seu tempo evoluirá para outro tipo de categoria que não 2.1.
 

Bruso

Well-Known Member
#5
Tendo em conta a quantidade de pessoas na berma da estrada esta prova tem tudo para vingar no calendário WT.

Adorei a etapa. Aquele final foi espetacular...ataque contra ataque e acaba em sprint final. Apenas o VOeckler tentou proteger-se para o sprint final, os outros 4 arrancaram lado a lado.

Na minha opinião tem todos os ingredientes para entrar ara o calendário WT.

O facto das equipas não terem rádio torna a prova muito mais imprevisivel. Houve ali uma altura que o Van Avermaet estava na perseguição ao grupo da frente e por falta de comunicação ia dois ciclistas da sua equipa a puxar no grupo da frente. Para mim o ideal ainda era reduzir o numero de ciclistas por equipa como na Vota à inglaterra.
 

qwerAC

Well-Known Member
#6
se o reino unido tivesse as montanhas da volta a frança, teríamos aqui a melhor corrida de sempre. tem o melhor público que alguma vez já vi (melhor que os bascos), tem muros que matam o pelotão, tem um clima instável e pelo menos nesta prova não há rádios, o que torna a corrida muito imprevisível. eu sou a favor da extinção dos rádios, não trazem nada de bom ao espetáculo
 

albertosemcontador

Well-Known Member
#7
Nao e bem como na volta a Franca mas a parte de Yorkshire e muito gira e tem boas subidas e descidas vai ser muito bom de se ver, estou certo que irao gostar...

Tenho um amigo que 2 vezes ao ano tira umas ferias com um grupinho e faz ali aquela corda toda... Recomenda-se vivamente e uma experiencia fantastica fica aqui uns videos interessantes que recomendo vivamente a ver...

Para quem nao viu fica aqui... A mentalidade britanica e forca da mesma no que respeita nao so ao ciclismo mas como vivencia tambem:

https://youtu.be/tKciwHzh57Y

https://youtu.be/Mhxn53KW1U0

https://youtu.be/DT6Tg5xRTfA

https://youtu.be/GRpWkuowXW0

e com estas me despeco, um grande abraco um santo e feliz fim de semana para todos...
 

undernardo

Active Member
#8
Concordo com a questão do número de ciclistas por equipa. 6 ciclistas penso ser um numero aceitável especialmente porque com tanto ataque e contra-ataque as equipas quase que não se viram hoje. A questão dos rádios também é pertinente mas acho que se só se verifica isto em provas de menor cotação. Assim que este Tour subisse de categoria provavelmente os rádios seriam introduzidos.

Esse momento em que o GvA tentou colar na frente foi mesmo decisivo. O Samuel Sanchez e o Hermans não faziam ideia que ele vinha a caminho tanto que quando o GvA encosta na frente a uns 17 km do final, o Hermans ficou bué surpreendido (pareceu-me) eheh

albertosemcontador , obrigado pelos links. Vou ver isso com atenção. ;)