Bruso às voltas

Bruso

Well-Known Member
#1
Boas,

chamo-me Bruno e abro aqui um tópico sobre as minhas voltas na Madeira.

Após ler muitos relatos de voltas em território continental, achei que a beleza da Madeira justificava um tópico. Vou tentar retratar o melhor possível os percursos e a região. Como sabem é uma região muito montanhosa em que facilmente se atinge um acumulado elevado. É ótimo para trepadores e horrível para que quer apenas um treino leve de recuperação.

Passo agora à descrição do percurso de hoje.
Saí de casa por volta das 8 da manhã rumo às Águas Mansas. Começar com uma subida de 5 km's com inclinação média por volta dos 10% não se afigurava nada fácil. Dei umas voltas perto de casa para aquecer e depois de 10 minutos lá fui eu subida fora.

Após alguns km parei para tirar esta foto sobre Gaula e Santa Cruz.


Já no final da subida fui obrigado a parar para tirar uma foto às ovelhas que por ali pastavam :D



Lá fiz a subida conseguindo bater os meus recordes pessoais no segmentos (1ªvez com a fininha).
Estando agora em terreno mais chão o objetivo agora era apanhar o meu companheiro de volta que arrancou mais cedo e de outro local e que já ia a caminho do Santo da Serra.

Em chão é outra história e visto que o alcatrão até está em bom estado consegui acelerar bastante o ritmo e uma bela descida deu bastante animo. O objetivo era chegar lá em baixo inteiro porque a descida era boa para acelerar!!



Mas como o relevo aqui não permite muitos kms planos ou a descer, lá veio nova subida. Foi nesta subida que alcancei o meu companheiro.



Ainda me cruzei com outro ciclista solitário que fazia o sentido inverso.
Após alcançar o meu amigo tivemos de parar porque o penu dele estava com pouca pressão o que dificultava a subida.
Aproveitei para tirar estas fotos(a preto está o local onde tirei a foto antes da descida):



Esta próxima foto era obrigatória neste diário. Aquela casa é o Bar do Marítimo (para quem não sabe o clube com mais história do futebol madeirense) e o pormenor das bandeiras está fantástico ahahah


Após atestar os pneus lá seguimos caminho rumo ao Santo da Serra. Terreno novamente plano otimo para rolar.
Agora fica a foto da praxe:


Esta é a minha bicicleta (1ªfininha) e a personagem sou eu.

Apresentações feitas!!
Após o strava reiniciar o Strava (uso no meus Galaxy Ace e ele a esta altitude parece que não se dá bem ahaha), lá iniciei a 1ªdescida louca do dia rumo à Portela.
O mau estado do alcatrão e humidade do pavimento ainda me fez começar devagar mas tava a apetecer cometer loucuras e lá fui eu:
Não sendo especialista, acho esta uma descida muito técnica com muitas curvas em gancho. Falo de uma descida com 2.3 km e com uma pendente média de -8,9%. Fiz a descida em 4:39 minutos o que dá uma média de 30km/h mas cheguei ao 60km/h. Deixo aqui o Link do Strava para esta descida.

Já cá em baixo avistava-se nova subida mas desta vez suave, na ER108 que me ia levar até à Portela.


Chegado à Portela não podia faltar a foto à Penha de Águia. Um dos montes mais emblemáticos da Madeira (reza a lenda que D.Sebastião (esse mesmo, o Rei), vagueia por lá ahahaha).



O objetivo agora era voltar ao Santo da Serra mas por outra estrada. mais suave, sem grande subidas, com pouco movimento, otimo para rolar.



Chegado ao Santo e por levar uma bela vantagem sobre o amigo lá fiz um desvio de percurso e fui até ao Campo de Golfe tirar esta foto.



Depois foi voltar para o ponto de encontro. Cheguei mesmo a tempo!!

O destino agora era voltar pela ER102 e ir até à Camacha. Durante o caminho fiquei sem liquido e encontrei isto:



Água pura e fresquinha vinda da rocha.

Após passar as Águas Mansas (tem uma belo bar de poncha, já agora), deparei com uma situação ridicula. Andaram a espalhar alcatrão nos buracos. Mas não taparam os buracos, apenas espalharam alcatrão (liquido muito pegajoso). Como podem imaginar, foi um percurso a me tentar desviar destas manchas negras, ficando mesmo assim com os pneus a colar.



O pior é que ainda ia passar nesta estrada no sentido inverso pois a ideia era acompanhar o meu amigo até à Camacha (onde tinha o carro) e voltar para trás rumo a casa.
Assim fiz, foi uma dor de cabeça. As manchas negras eram uma constante na estrada.

Chegado às Águas Mansas novamente, agora era descer a ER206 (a subida que fiz logo no inicio do percurso) e estava em casa. 5km com -10% de inclinação e uma dose de loucura bastante elevada. Conclusão: velocidade média de 48,2km/h, velocidade máxima de 70,6km/h. Gastei 6 minutos até o fim da descida (para subir foram 32 minutos).

Resumo da volta: 56,8km
Acumulado: 2841m
Tempo a pedalar: 3h5min
Tempo da volta: 4h
Velocidade média: 18,38 km/h
Deixo aqui os links (Strava crashou 3 vezes):
Parte 1
Parte 2
Parte 3
Parte 4





Obrigado para quem leu o meu obrigado e promessa mais voltas com mais e melhores fotos!!

Boas pedaladas!!


P.S. fotos foram todas tiradas com o telemovel (uma das razões para o Strava crashar 3 vezes)
 
#3
@Bruso parabéns tanto pela tua volta como pela abertura deste tópico que irei seguir com especial atenção e porquê?
O meu nick é Delamadera (de la madeira) porque sou natural do Funchal embora a viver em Viseu há já quase 20 anos mas a ligação com a Pérola do Atlântico está sempre viva...

Abraço e espero que deixes aqui os relatos e fotos das tuas futuras voltas.
 

Bruso

Well-Known Member
#4
Obrigado pelas palavras.

O objetivo é mesmo esse Delamadera. É dar a conhecer aos que não conhecem e relembrar os que já cá estiveram/viveram.

Já era para ter começado este tópico na segunda, mas como fiquei sem bateria não consegui tirar fotos e ficava mau abrir o tópico só com palavras. Mas posso dizer que fiz a mais dura subida da minha curta carreira de ciclista. Mesmo assim consegui bater o tempo de muitos que já andam nisto há muito tempo!!

Já agora deixo aqui uma pequena ideia da minha visão sobre estas voltas:
faço-as para diversão, para conhecer melhor esta fantástica ilha mas gosto de impor um ritmo elevado e fazer bons tempo principalmente a subir.
Por esta razão é que não tiro muitas fotos (o facto de não ter máquina fotográfica também não ajuda).
 

pedro30

Active Member
#5
ora viva Bruso :)
parabéns por teres aberto este cantinho para relatares as tuas voltas.
ai está o tipo de voltas que enche as medidas a qualquer um,com esse acumulado faxabor........ vai lá vai.... :cool:;)
amigo gostei imenso deste teu cantinho,vou segui-lo para me servir de inspiração,pois tambem gosto deste tipo de voltas ;)
é assim mesmo que tem de ser,fazer o que se gosta e não necessariamente,sair para uma volta a rasgar e chegar ao fim sem desfrutar,sem sacar umas fotos, e apenas para "partir tudo".
nessas voltas pode-se bem "passear" e tirar umas fotos e desfrutar e na mesma volta fazer uns "picos" de esforço,e umas tiradas e rolar bem,e no final disfrutas-te da volta e puxas-te pelo fisico :)parabéns,mais uma vez e continua que a bicicleta é para isso mesmo,disfrutar e não para ser usada para um confronto psicológico com nós mesmos.
grande abraço e continuação de boas pedaladas;)
 
#7
Boas.

Excelente fotos, incluindo a literatura do topic.
eu não conheço (ainda) a Madeira, mas daquilo que vejo e ouço contar, é um destino a ir antes de me enfiar dentro das 4 tabuas com 7 palmos de terra em cima lool. Tenho um convite de um amigo para ir à Madeira (ele faz parapente), mas ainda não houve disponibilidade (financeira e temporal) para ir.

Continuação de boas pedaladas, e vai dando a conhecer ao pessoal a ilha da madeira.
 
#8
Boas Bruso,

Grande volta, conheço muito bem a Madeira a minha mulher é de lá.
Ainda não tive o privilegio de andar de bike lá, mas deve se duro :)

Abraço.
 

Bruso

Well-Known Member
#9
Obrigado por todos os comentários.
Para já o meu raio de ação ainda é reduzido. Limito-me a andar na costa este. Como não tenho o suporte para transportar a bicicleta no carro, é um pouco difícil afastar-me de casa. Mas já tá nos planos uma ida até à Calheta (concelho mais a oeste da ilha), em que o regresso será feito à boleia no carro de alguém :D.

Para os que nunca cá tiveram, aconselho vivamente a virem cá um dia dar umas pedaladas. Mas não se esqueçam de trazer a bicicleta porque o negócio de aluguer de bicicletas topo de gama do SBRDYDY ainda não chegou à Madeira. Já agora a pedaleira tripla dá muito jeito para quem não é profissional!!
 

pedro30

Active Member
#10
Bruso ,que é isso???? de carro para dar a volta!!! nada disso.
toca a ganhar coragem e vai e volta de bike,vais ver que começas a superar-te ;) e é muito mais engraçado,mas sempre nas calmas :cool:
vamos lá quero ver estes relatos grande abraço.
 
#11
Bem, no ciclocomputador até acendeu a luz do óleo! :D :D

Obrigado por partilhares, parece ter sido uma volta excelente, e estes relatos acabam por dar uma ideia de sitios que só fazem parte da nossa imaginação...

Realmente não há nada tão zen como sairmos de manhã muito cedo a sentir o vento a passar pelo nosso corpo, com paisagens assim. Só tenho pena de não ter descoberto estas sensações há 10 anos! Já teria outra estaleca, em vez de andar a fazer festinhas aos pedais hehe

Continua no bom caminho Bruso, muitas voltas com muito prazer é o que desejo

P.S: A foto sobre Gaula e Santa Cruz... wow :eek:
 

Bruso

Well-Known Member
#12
Bruso ,que é isso???? de carro para dar a volta!!! nada disso.
toca a ganhar coragem e vai e volta de bike,vais ver que começas a superar-te ;) e é muito mais engraçado,mas sempre nas calmas :cool:
vamos lá quero ver estes relatos grande abraço.
Não tás bem a ver o percurso ahaha. Até à calheta são uns 100kms só ida. Com um acumulado brutal!!!

Bem, no ciclocomputador até acendeu a luz do óleo! :D :D

Obrigado por partilhares, parece ter sido uma volta excelente, e estes relatos acabam por dar uma ideia de sitios que só fazem parte da nossa imaginação...

Realmente não há nada tão zen como sairmos de manhã muito cedo a sentir o vento a passar pelo nosso corpo, com paisagens assim. Só tenho pena de não ter descoberto estas sensações há 10 anos! Já teria outra estaleca, em vez de andar a fazer festinhas aos pedais hehe

Continua no bom caminho Bruso, muitas voltas com muito prazer é o que desejo

P.S: A foto sobre Gaula e Santa Cruz... wow :eek:
Lol é a dizer que a bicicleta precisa de manutenção xD. Já fiz mas ainda não descobri como apago aquilo xD.
Pois eu ainda tenho 23 anos por isso ainda tenho muitas pedaladas pela frente. Também comecei a pedalar este ano mais precisamente à uns 3 meses.
Se a máquina fosse melhor de certo que ficaria uma foto ainda melhor!!! O cenário é fantástico!!
 

Bruso

Well-Known Member
#13
Pico do Facho cá vou eu!!

Hoje o dia começou bem cedo. acordei 7h30 com o objetivo de sair de casa por volta das 8. Ainda tive de passar um paninho na bicicleta porque estava suja da última volta (não houve tempo, Tese tem me ocupado os dias).

O percurso tinha sido traçado enquanto estava na cama. Objetivo: Chegar ao Pico do Facho para ver os aviões.

Lá saí de casa à hora planeada, sol ainda estava escondido por trás de umas nuvens.
Hoje comecei o percurso com uma bela descida. Vento na cara logo de manhã é do melhor para acordar. De qualquer maneira não acelerei muito porque os reflexos ainda eram poucos.


A primeira subida que me ia fazer testar os músculos era a reta do aeroporto. Subida com 1,5km e 5.5% de inclinação média, mas que logo no ínicio é bastante dura. Mas antes de lá chegar ainda fiz uma paragem para tirar uma foto sobre Santa Cruz (tentei ir na roda do avião mas não deu xD):



Cá está a parte inicial da subida!!


E lá ia rumo a Machico, mas pelo caminho uma foto à estrutura mais emblemática e mais galardoada da Madeira.
A foto não ficou grande coisa mas dá para perceber:


Para quem não sabe, isto é a pista do aeroporto da Madeira. A extensão da pista foi construída sobre o mar, sendo feito um aterro de tamanho colossal para tal. O Engenheiro que projeto esta obra ganhou o equivalente ao "Nobel" da Engenharia (ABSE Outstanding Structure Award). Está assente sobre 180 pilares. Diz-se que é das pistas mais dificeis de aterrar a nível mundial devido aos ventos. (Desculpem o aparte mas a Engenharia Civil é a minha praia).

Seguindo lá com o meu percurso lá cheguei a Machico.


Aquela mancha amarela é a praia de Machico. Toda aquela areia é proveniente das Áfricas e embora seja muito visitada estão ali empatados muitos milhões para um capricho. Para quem não sabe o normal aqui na Madeira é as praias serem em calhau. E as poucas de areia que existem são de areia negra.
O objetivo desta volta era chegar áquele pico com as antenas sobre a praia/marina.

Para lá chegar teria de passar a 1ªparede do dia: 4 km com inclinação média de 6%. Nada que me assustasse, apenas chamo parede porque foi a 1ªvez que coloquei no prato pequeno da minha pedaleira tripla nesta volta. Já agora ando com uma pedaleira 30-42-50.

Subi até à entrada do túnel do Caniçal a bom ritmo e ainda sentia as pernas leves. Ao chegar ao túnel, e como o objetivo não era ir para o Caniçal, virei à direita para a estrada que me ia levar ao topo do Pico. Estrada com pouca circulação automóvel e que é de uma beleza fantástica. Não tem muros nem vedações nas bermas. Adorei esta subida!!
Apenas para terem uma ideia do que falo:


Lá estava o Pico do Facho:


Ainda antes de chegar uma olhadela à Ponta de São Lourenço. Ponta mais a Este da Madeira.


Já faltava pouco e cheguei rapidamente ao topo, e o que vi foi isto:


Lá está a praia artificial, e a pista de aeroporto no fundo. Estava um neblina estranha no ar e para além disso agora que vejo as fotos, parece-me que tinha a lente embaciada :/.

Um olhar sobre a Cidade de Machico (dizem que foi aqui que se instalaram os descobridores)
.

E um olhar sobre o Caniçal. Onde está sediada o tão discutido Centro Internacional de Negócios da Madeira (CINM), por cá tratado como Zona Franca.


Após uma bela pausa de 15 minutos para alimentação e para repor as forças lá fui eu estrada a abaixo. Agora o percurso o inverso da subida.


Quanto terminei a descida ainda fui até à tal praia amarela ver o movimento mas como ainda era cedo (9:20) só estavam uns estrangeiros a brincar com os pequenos na areia (cuidado com os escorpiões xD).

Lá pûs-me a caminho da minha linda terra (Santa Cruz). Pelo caminho a 2ªparede do dia (novamente prato pequeno). É um subida muito curta mas que tem uma curva em gancho que me rebenta todo.



Virei para Santa Cruz, a viragem para o Santa da Serra fica para outra ocasião, mas posso-vos dizer que é a subida mais dura que já fiz (já falei dela neste tópico).

Depois de mais uma ligeira subida, onde passei por dois ciclistas que iam na direção oposta, e depois do tradicional "boas", lá segui eu rumo à agora descida da reta do aeroporto. Já na reta parei para um foto junto com os aviões:

(a lente estava mesmo embaciada :mad:)

Já em Santa Cruz fui até à promenade ver a praia. Estava vento mas um mergulhinho ia cair muito bem. O equipamento não permitia portanto tirei umas fotos e segui para casa.





Cá está uma das melhores e maiores praias da Madeira. Já agora este é o tradicional calhau das praias da Madeira.

Estas foram as últimas fotos do dia, mas ainda havia percurso para casa e um KOM a conquistar. Um das subidas para a minha casa, o KOM era partilhado por mim e por outro rapaz, exatamente o mesmo tempo e não fizemos juntos. Dessa vez fiz no prato mais pequeno (30) mas hoje como o objetivo era mesmo conquistar o KOM lá fui no prato médio (42). Conclusão KOM conquistado, e ainda tive de fazer um paragem a meio por causa da corrente perdendo 30 segundos, senão tinha pulverizado o antigo recorde. Esta subida tem 1,5km com 10,7% de inclinação média.

Após um voltinha de arrefecimento lá fui eu para casa.

Resumo da volta: 37,5km
Acumulado: 1645m
Tempo a pedalar: 1h51min
Tempo da volta: 2h30
Velocidade média: 22 km/h
Links do Strava: hoje ficou devido em 2 porque desliguei o programa sem querer hehe. Acontece-me sempre alguma (um Garmin é que era :cool:)
Parte 1
Parte 2

Já agora vou fazer uma análise ao equipamento:
Calções: comprei uns na SportZone, os mais baratos (10€) porque precisava de uns para desenrascar. Antes disso tinha comprado uns boxers com carneira no ebay que me custaram 6€. A diferença entre ambos é abismal. A carneira dos boxers é 20x superior aos dos calções da sportzone. Hoje optei por levar os boxers e não senti nenhum desconforto ao invés da ultima volta em que parei imensas vezes para ajeita a carneira porque já não aguentava. Sei que me vão dizer que comprei uns calções do mais rasca que há mas os boxers foram ainda mais baratos.


Jersey: outra compra via ebay. Estou muito contente com esta compra que me custou apenas 8€.

Pedaleira: hoje percebi que a pedaleira tripla não é assim tão obrigatória para a Madeira. Eu tenho uma pedaleira 30-42-50 com cassete 25-12 com 8v. Se optar por uma pedaleira compacta 34-50 e uma cassete 11-28 acham que noto muita diferença a subir?? A descer será igual pois costumo descer no prato 50. Em plano é que perco algum andamento pois costumo usar o prato 42. Opinem sff.

Assim dou por terminado o 2º capítulo desta viagem.

Boas pedaladas!!
 

SBRDYDY

Well-Known Member
#15
O portugues esta perfeito :)
Depois dessas voltas vale tudo, andamentos com 53-39 11-21 não deve haver em nenhuma bicicleta na madeira:)
bela volta, e quando vais subir até ao ponto mais alto da ilha??
AS DREAMLIGHT TEM QUE IR ATÉ AI FAZER O RECONHECIMENTO A ILHA UM DIA :)
 

Bruso

Well-Known Member
#16
Eu ando na estrada à bem pouco tempo por isso nunca me pus a reparar nas pedaleiras do pessoal com mais experiência mas 53-39 não acredito. Isso é pa contrarrelógio hehe.

Agora que falas nisso, hoje foi um dos meus pensamento durante a volta. Não é ao ponto mais alto, pois para chegar ao pico Ruivo só de MTB, mas sim ao Pico do Areeiro.
Mas ir sozinho não tem piada. Tenho que falar com o meu amigo para ver se vamos lá. Gostava de ter alguém que puxasse por mim (o rapaz que costuma ir comigo fica sempre para trás). Ainda por cima começo a trabalhar segunda e a disponibilidade vai reduzir. Mas ainda tá para ver. Mas a ida lá acima já está na agenda.

Manda uma por correio que eu faço o reconhecimento hehe :D
 
#17
Boas Bruso, tenho 50-39-30 com cassete 25-12 e estou satisfeito. Cobre tudo o que preciso. Em relação à comparação com 50-34 com cassete 11-28 sim, fica praticamente igual, com a vantagem do sistema ficar menos complexo e mais leve, mas com a desvantagem do "salto" de 50 para 34 ser maior. É preciso habituarmo-nos a saltar ali 3 relaçoes atrás de cada vez que fazemos isso, mas com o tempo acredito que se contorne bem isso. É uma alteração que posso vir a fazer à minha (passar de tripla para dupla compacta) mas que provavelmente só será feita quando alguma parte da minha transmissão avariar, ou desgastar. Faz-me confusão estar a mudar só por mudar, com material novo.

Ah e não te esqueças de uma coisa. O principal motivo dos grupos (Dura-ace, Ultegra) topo de gama já não terem triplas é não serem "cool". Fica mal numa bicicleta de estrada. Pesa mais 100 gramas. Não é macho. Pensa nisso antes de seguires em tendências "só porque sim". Uma tripla para um iniciado como nós é perfeitamente justificável.
 

Bruso

Well-Known Member
#18
A minha bicicleta foi comprada de 2ªmão. A transmissão não é nova e claro só mudarei qunado esta me der problemas. 1º tenho sapatos e pedais para comprar.

Isso do cool para mim é treta. Achas que se fosse pelo cool tinha a bicicleta que tenho? um chaçinho xD.
Na volta de quinta tive uma conversa com um amigo sobre este tipo de pedaleiras. Ele diz que já deu uma volta com um rapaz que estava a usar uma compacta e eu não acreditei. Achei que para o relevo da Madeira tal era impossível mas hoje concluí que não é bem assim. Coloquei a questão mais por isto. Está fora de questão trocar de pedaleira para já.
 
#19
Boas Bruso,

A Madeira é de facto um local espectacular, já estive aí há uns anos, dei a volta à ilha e...adorei!!! Parabéns pelas tuas aventuras...não deve ser fácil aí trepar certas "paredes", mas com treino, vontade e crer, torna-se mais fácil:). Vê se na próxima volta tiras uma foto ao Curral das Freiras. Deve ser fixe também é fazer aquela estrada (acho que é o Véu da Noiva) na Costa Norte que vai até Porto Moniz. Abraço e boas voltas:)
 

pratoni

Well-Known Member
#20
Pelas tuas voltas consegue-se perceber muito bem que a Madeira tem todo o potencial para explorar o turismo ciclista.

Dado que a maioria dos ciclistas são masoquistas e que adoram subidas, aí parece que é coisa que não falta.

Pelo verde que se vê, imagino só potencial para o btt...