Um alentejano... perdido no ciclismo

moshinho

Well-Known Member
Vê lá isso então que agora coloquei pneus e transmissão nova.
Está mesmo bom para ir pedalar aí :)
 

iMiguel

Active Member
Oi Pedro, estou novamente abaixo de forma. Tive adoentado e estou a recuperar (vou tentar pedalar lá pro final da semana). As voltas que tenho feito não vão além dos 20km :rolleyes:
 

moshinho

Well-Known Member
Oi Pedro, estou novamente abaixo de forma. Tive adoentado e estou a recuperar (vou tentar pedalar lá pro final da semana). As voltas que tenho feito não vão além dos 20km :rolleyes:
Estamos iguais. Na fininha então nem lhe pego sequer.
 

iMiguel

Active Member
Boas maltinha.

Amanhã é dia de ir palmilhar uns km's na burra. Hoje como ainda choveu (vaa umas pingas) deu para fazer uma espécie de manutenção nela, uma vez que ouvia um barulho vindo da roda de trás. Desmontei a roda, tirei cassete, mudei a corrente e siga para o teste amanhã. Espero pelo menos quebrar a barreira dos km's feitos este ano, barreira essa que anda nuns estonteantes... 17km! Tudo acima disso já é considerado, neste momento, de hiper-maratona!

Esta volta acontece precisamente no dia que completa um ano após a partida da minha mãe. Difícil ainda aceitar, mas não há muita volta a dar.
 

elchocollat

Well-Known Member
Lembro-me da tua situação e não é fácil ultrapassar. É verdade que não há muito a fazer, mas as saudades ficam. De facto só o tempo pode curar tudo e é o que mais custa. Por experiência própria, um psicólogo ajuda:)

Quanto a amanhã, aproveita o dia. Onde quer que vás, a tua mãe estará sempre contigo e amanhã terás uma dose extra de força :)
 

Aslume

Active Member
Boas maltinha.



Esta volta acontece precisamente no dia que completa um ano após a partida da minha mãe. Difícil ainda aceitar, mas não há muita volta a dar.

Tens que ter força e continuar. O meu fez dois anos que faleceu em Maio. Como foi para o hospital e estávamos em pandemia as visitas não eram permitidas; não nos chegámos a despedir e é uma situação que ainda me persegue. Mas sinto que ele está presente e que tenho que continuar.
 

gfrmartins

Well-Known Member
É ter força para continuar e viver da melhor maneira possível e com a certeza que quem partiu tinha esse desejo, não ficar "agarrado" a momentos menos bons mas sim lembrar dos melhores momentos e dar tudo no dia a dia porque esta vida é efémera, é um piscar de olhos

Mas a mente é tramada para quem cá fica, apesar de ter a certeza que partiu com a certeza que tinha todo o amor do Neto e que tinha vivido uma vida cheia, para mim que cá fiquei não passa muitos dias sem que a minha mente e os meus sentidos não se lembrem da imagem da minha avô a cair das escadas abaixo 1s depois do sorriso no rosto de me ver chegar a casa e ao tentar vir ao meu encontro acabou por cair e após essa queda que a levou ao Hospital e acabou na sua morte 2 dias depois. Impressionante o detalhe com que estas coisas ficam gravadas no nosso subconsciente e as vezes que aparecem.

Esta vida são segundos, são momentos, é viver o que se pode e não perder tempo com merdas e dizer a quem merece que os amamos, não seja a última vez que o podemos fazer, mas ter a certeza que aconteça o que acontecer todos sabem isso, mas acima de tudo VIVER
 

iMiguel

Active Member
Tens que ter força e continuar. O meu fez dois anos que faleceu em Maio. Como foi para o hospital e estávamos em pandemia as visitas não eram permitidas; não nos chegámos a despedir e é uma situação que ainda me persegue. Mas sinto que ele está presente e que tenho que continuar.

Eu ainda a consegui ir ver a minha mãe ao hospital, mas consegui porque tenho familiares a trabalhar lá e esses mesmo familiares pediram à administração e consegui. Mesmo assim... Aqui em casa foi no espaço de um ano perdi tudo, passou de uma casa cheia para uma completamente vazia e silenciosa. Tenho muitas vezes a tv ligada para fazer barulho de fundo.



É ter força para continuar e viver da melhor maneira possível e com a certeza que quem partiu tinha esse desejo, não ficar "agarrado" a momentos menos bons mas sim lembrar dos melhores momentos e dar tudo no dia a dia porque esta vida é efémera, é um piscar de olhos

Mas a mente é tramada para quem cá fica, apesar de ter a certeza que partiu com a certeza que tinha todo o amor do Neto e que tinha vivido uma vida cheia, para mim que cá fiquei não passa muitos dias sem que a minha mente e os meus sentidos não se lembrem da imagem da minha avô a cair das escadas abaixo 1s depois do sorriso no rosto de me ver chegar a casa e ao tentar vir ao meu encontro acabou por cair e após essa queda que a levou ao Hospital e acabou na sua morte 2 dias depois. Impressionante o detalhe com que estas coisas ficam gravadas no nosso subconsciente e as vezes que aparecem.

Esta vida são segundos, são momentos, é viver o que se pode e não perder tempo com merdas e dizer a quem merece que os amamos, não seja a última vez que o podemos fazer, mas ter a certeza que aconteça o que acontecer todos sabem isso, mas acima de tudo VIVER

A mente pode ser tramada às vezes, tenho gravado muitos bons momentos com a minha mãe e com a minha avó, mas parece que os últimos maus momentos de ambas que eu bem vi de perto ficaram ainda muito mais vincados. É como escrever a lápis e depois apagar, quanto mais carregamos no lápis a borracha custa apagar, affim ficaram esses ultimos momentos de ambas.


Neste ano tenho tentado aliviar a cabeça, mas tem momentos muito complicados e tenho a noção que o tempo vai atenuando, mas... custa! Como se não bastasse, há 2 anos que estou desempregado, constantemente a ir a entrevista e ver sempre um "não" como resposta ainda desanima mais. Pode ser que no dia de amanhã seja melhor.



----

A volta ontem foi soft, não deu para fotos, apenas para aproveitar o ar fresco da manhã aqui no profundo alentejo. Foram cerca de 30km, onde os ultimos já foram sofriveis (é o que dá só pedalar na de BTT num circuito de XCO - cerca de 3 a 4 voltas de sábado a sabado). Tenho que tirar as teias de aranha da bike. 30km tiraram o pó mais leve.
 
Top